Renúncia de Gary Cohn no radar dos investidores

  •  
Renúncia de Gary Cohn no radar dos investidores (Foto: Divulgação) Renúncia de Gary Cohn no radar dos investidores

Os índices acionários globais apresentam perdas nesta quarta-feira, 07, após a renúncia de Gary Cohn, principal assessor econômico de Donald Trump, que deixou o cargo por não concordar com as ameaças protecionistas para o aço. Com isso, as bolsas europeias e norte-americanas operam em queda nesta manhã.

Ásia

Na Ásia, os mercados fecharam em baixa, com a confiança dos investidores afetada pela notícia da renúncia de Gary Cohn. O índice Nikkei, referência da Bolsa de Tóquio, fechou a sessão desta quarta-feira em baixa de 0,77%, enquanto na China, o Xangai Composto cedeu 0,55%. Em Hong Kong, o Hang Seng caiu 1,03% e em Seul, o Kospi fechou em baixa de 0,40%.

Europa

Enquanto isso, na Europa, o sinal é negativo entre as bolsas.

Por lá, o Eurostat divulgou que a zona do euro registrou um crescimento de 0,6% no quarto trimestre de 2017. No trimestre anterior, a zona do euro teve crescimento de 0,6%.

EUA

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em campo negativo.

Brasil

Por aqui, os investidores ficam atentos a fala do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de que o governo estaria discutindo uma nova política de reajuste dos combustíveis com a Petrobras, fato negado pela companhia ontem.

Agenda

E abrindo a agenda de indicadores internos, a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou que o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 0,15% em fevereiro, percentual inferior à alta de 0,58% registrada no mês anterior. Com este resultado, o índice acumula alta de 0,73% no ano e queda de 0,19% em 12 meses. Em fevereiro de 2017, o índice havia subido 0,06% e acumulava alta de 5,26% em 12 meses.

Câmbio

Por fim, no mercado de câmbio, o dólar deverá perder valor frente às principais moedas, exceção feita ao dólar canadense e peso mexicano (moedas que estão mais expostas a possíveis sanções dos EUA), além do rand sul-africano.

(Redação – Investimentos e Notícias)