Pico do Ibovespa e acordo da Petrobras são destaques da última semana

  •  
Pico do Ibovespa foi destaque da última semana Foto: divulgação Pico do Ibovespa foi destaque da última semana

Na Brasil, os destaques da primeira semana do ano ficaram por conta da Bolsa de Valores em máxima histórica e a discussão da situação fiscal do governo. Lá fora, ata do FED indicou aumento da confiança na economia dos EUA e o aumento de salário na Ásia também ganharam os holofotes.

Brasil
O Índice Bovespa renovou sua máxima histórica na última quinta-feira (04). Segundo analistas, o Ibov atingiu 79.134 pontos devido ao momento favorável à negociação de ativos de risco no mundo com perspectivas positivas de crescimento global.

Além disso, muito se diz sobre a recuperação econômica brasileira em 2018, o que amplia as expectativas de melhora nos resultados das companhias. Como consequência, há o interesse do investidor em montar posições na Bolsa de Valores. Na comparação com outros mercados emergentes, o Ibovespa é um dos principais destaques de desempenho no início de 2018.

Os preços aos produtores apresentaram forte aumento nos últimos meses de 2017. Segundo levantamento do IBGE, de setembro a novembro do ano passado, o Índice de Preços ao Produtor (IPP) avançou 4,78%.

Os responsáveis por este avanço foram três atividades da indústria de transformação, que respondem por cerca de 30% do índice: refino de petróleo e produtos do álcool, com crescimento de 14,19% no período analisado; metalurgia, com 8% de alta; e outros químicos, com 9,11% de avanço.

Outros produtos com menor peso no IPP também tiveram aumento nos últimos meses, especialmente os itens exportados, que são cotados em dólar. Essa situação foi vista nos aviões, fumos, papel e celulose.

Cenário Político

A equipe econômica do presidente Michel Temer prepara uma proposta de emenda constitucional (PEC) para poder ignorar a “regra de ouro” das contas públicas. Essa regra proíbe o governo de recorrer a endividamento, a não ser que o recurso captado seja para fazer investimentos ou refinanciar a própria dívida.

O objetivo é impedir o endividamento para pagamento de despesas correntes, como salários, benefícios previdenciários, serviços, diárias e passagens. O risco de descumprimento da norma é visualizado pelo Executivo desde agosto de 2017. E esse cenário pode levar o presidente da República e a equipe econômica para julgamento sobre crime de responsabilidade fiscal.

Cenário Corporativo

Altas no preço do minério de ferro contribuíram para que o setor de siderurgia ganhasse destaque nos últimos dias. Outra razão foi a confirmação de finalização do primeiro contrato de fornecimento de aço ao setor automotivo para 2018 com valor reajustado, que animou o mercado.

O Credit Suisse disse ter uma expectativa positiva para o setor siderúrgico global durante 2018, afirmando que as margens devem continuar elevadas, com indicadores da demanda provavelmente em aceleração fora da China. Dessa maneira ativos do segmento lideraram os ganhos da Bolsa na última semana, como Usiminas (USIM5), Gerdau (GGBR4 e GOAU4) e CSN (CSNA3).

A Petrobras (PETR4) ganharam a atenção na última semana após a empresa fechar acordo para suspender a ação coletiva movida por um grupo de acionistas e detentores de títulos em Nova York. A ação teve início após prejuízos provocados pelos desvios na estatal investigados pela Operação Lava Jato.

A Embraer (EMBR3) também permaneceu no radar devido às informações de que a proposta da Boeing para se associar a ela inclui também a divisão de defesa da fabricante brasileira, não sendo restrita apenas à área de aviação comercial.

Mundo

EUA

De acordo com a ata do Federal Reserve (FED), divulgada recentemente, houve indicação de que os integrantes do Comitê de Política Monetária dos EUA sentem mais confiança no mercado de trabalho e na economia em geral do país norte-americano.

O comitê também elevou as projeções de crescimento para os próximos anos seguindo uma perspectiva de aprovação da reforma tributária. No entanto, há o temor de que a reforma não seja suficiente para acelerar o aumento dos juros no país.

Os Estados Unidos criaram 148 mil vagas de trabalho em dezembro de 2017, contra expectativa de 180 mil. A taxa de desemprego permaneceu em 4,1% no mês, em linha com o esperado. Enquanto isso, o ganho salarial médio por hora trabalhada subiu 0,34% na comparação com o mês de novembro.

Nos últimos dias, o mercado financeiro também acompanhou o conflito entre o presidente Donald Trump e seu ex-assessor, Steve Bannon. A grande questão é que o conflito pode se tornar uma disputa interna na base de apoio de Trump e mais uma dificuldade para o Partido Republicano, que está de olho nas próximas eleições para o Congresso dos EUA.

Europa

A zona do euro fechou o ano passado conquistando o maior nível de crescimento registrado nos últimos sete anos para a economia da região. O índice de gerentes de compra (PMI) de serviços e da indústria subiu para 58,1 pontos em dezembro de 2017 frente aos 57,5 registrados no mês anterior. Com esse resultado, o crescimento no último trimestre do ano foi de 0,8%.

O preço ao produtor na zona do euro expandiu 0,6% em novembro de 2017, na comparação com o mês anterior. A expectativa era de alta de 0,3% no período.

Ásia

Os trabalhadores asiáticos deverão ter o maior aumento de salário real no mundo em 2018, devido ao sólido crescimento e às mudanças na estrutura econômica da região. As previsões apontam que os salários reais ajustados pela inflação crescerão 2,8% na Ásia neste ano, em comparação com aumento de apenas 1,5% em todo o mundo.

A atividade no setor de serviços chinês acelerou em dezembro. O PMI apresentou uma expansão de 51,9 em novembro para 53,9 em dezembro. O resultado é o maior desde agosto de 2014.