Saiba como evitar os três erros mais comuns para não cair na malha fina

Especialistas da Fortes Tecnologia alertam para a necessidade da consistência dos dados Foto: Divulgação Especialistas da Fortes Tecnologia alertam para a necessidade da consistência dos dados

Todos os anos o prazo para a entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física termina no último dia útil do mês de abril, ou seja, em 2017 a data limite é o dia 28. Os especialistas da Fortes Tecnologia alertam que é fundamental que os contribuintes tenham atenção ao preencherem o formulário para não caírem na Malha Fiscal da Declaração de Ajuste Anual da Pessoa Física, a temida “malha fina”.

Com alta capacidade de cruzamento de dados, o sistema operacional da Receita Federal do Brasil é um dos mais modernos do mundo e, por ser totalmente informatizado, independe de auditoria humana. “A malha fina não pode ser subestimada. Também não há necessidade de pânico, desde que o contribuinte seja verdadeiro ao informar dados relacionados a ganhos, gastos, rendimentos, aquisições e vendas. Àqueles que tenham muitas dúvidas, sugiro a busca pela assessoria de um profissional especializado”, explica Sávio Pierre, diretor de produtos da Fortes Tecnologia.

Para reforçar o alerta aos contribuintes, o especialista da Fortes Tecnologia lista os três erros mais comuns daqueles que caem na “malha final”:

Não informar todos os rendimentos – Imagine que você possua três fontes de renda, que somadas resultem em rendimento anual tributável acima de R$ 28.559,70. A pior estratégia em casos como este é ocultar um desses rendimentos, já que muito provavelmente os pagadores citaram o seu CPF na declaração deles. Neste caso, é esperado pela Receita que as partes envolvidas confirmem as informações e acrescentem possíveis dados.

Ter crescimento patrimonial que não condiz com o rendimento – Por exemplo, se você ganhou R$ 50 mil reais ao longo do ano e não tinha reservas financeiras declaradas, será difícil comprovar à Receita Federal a compra de um apartamento de R$ 200 mil à vista. Aqui, mais uma vez reforça-se a necessidade da constante transparência na declaração.

Incluir informações de terceiros que não são verdadeiras – Incluir na declaração falsos dependentes ou CNPJ de empresas com as quais você não teve real vínculo no período é um dos caminhos para que a Receita Federal escolha auditar a sua declaração. Hoje, grande parte dos proprietários de CNPJs estão atentos para informar os dados dos clientes que receberam seus serviços.
O especialista da Fortes Tecnologia alerta ainda sobre a importância de entregar a Declaração de Imposto de Renda no prazo. “Algumas pessoas podem não se atentar muito ao prazo por considerarem que o valor da multa é irrisório. Mas, é importante ter em mente que essa inadinplência vai gerar pendências no CPF, que tendem a se refletir em restrições de crédito”, conta Sávio. “Após concluir a entrega, aconselho ainda que o contribuinte acompanhe o processo para ver se existem pendências e tentar resolvê-las antes de ser convocado para isso”, completa.

(Redação - Agência IN)