Indicador Antecedente sobe 1,1% em agosto

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), publicado em parceria entre a FGV IBRE e The Conference Board (TCB), subiu 1,1% em agosto para 117,8 pontos, 2,2 pontos abaixo do período pré-pandemia no Brasil (fevereiro de 2020). Quatro das oito séries componentes contribuíram para a alta do indicador, com a maior contribuição vindo do Índice de Expectativas da Indústria.

 

  • Publicado em Economia

A prévia da incerteza da economia sinaliza uma queda

A prévia do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza uma queda de 6,1 pontos em setembro, para 154,2 pontos. O resultado representaria uma aceleração da tendência de queda em relação ao mês passado, quando o indicador havia recuado apenas 3,4 pontos. Após o quinto mês em queda, o IIE-Br devolveria 59% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

  • Publicado em Economia

Prévia do IIE-Br sinaliza tendência de desaceleração

A prévia do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza uma queda de 2,2 pontos em agosto, para 161,7 pontos. Após o quarto mês em queda, o IIE-Br devolveria 51% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

Indicador de Incerteza da Economia sinaliza queda em julho

Em apuração preliminar, com dados coletados entre 26 de junho e 9 de julho, o Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza uma queda de 7,3 pontos em julho, para 166,3 pontos. Após o terceiro mês em queda, o IIE-Br devolveria 46% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

Alívio do distanciamento social ajuda na recuperação do varejo, aponta MUFG

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira, 8, em maio de 2020, o comércio varejista nacional cresceu 13,9% frente a abril, na série com ajuste sazonal, após recuo recorde de 16,3% em abril. Segundo o IBGE, essa é a maior alta da série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2000.

Indicador Antecedente sobe em maio

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), publicado em parceria entre a FGV IBRE e The Conference Board (TCB), subiu 1,0% em maio para 94,7 pontos, após recuar mais de 16% no mês anterior. A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou negativa, em 20,2%. Das oito séries componentes, os três Índices de Expectativas - Serviços, Indústria e Consumidores – foram os que mais contribuíram positivamente para o resultado.

Com a chegada da pandemia, clima econômico piora na AL

O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina da Fundação Getulio Vargas (FGV) passou de 14,1 pontos negativos para 60,4 pontos negativos entre janeiro e abril de 2020, o pior resultado da série histórica desde janeiro de 1989. O menor nível anterior havia ocorrido em janeiro de 2009, logo após a crise financeira de 2008, quando o ICE havia atingindo 48,7 pontos negativos. O indicador, que vinha se mantendo em terreno negativo e em queda desde abril de 2018, havia recuperado um pouco das perdas na pesquisa de janeiro de 2020, na comparação com outubro de 2019, mas agora foi derrubado pelo efeito da pandemia de COVID-19.

Assinar este feed RSS