Sondagem Industrial mostra melhora em setembro

  •  
Sondagem Industrial mostra melhora em setembro (Foto: Pexels) Sondagem Industrial mostra melhora em setembro

A Sondagem Industrial de setembro mostra continuidade na melhora gradual da atividade do setor, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A principal indicação disso vem da redução das assinalações da falta de demanda como o principal problema das empresas – ainda que apontado como o segundo maior problema – e por uma leve indicação de melhora das condições financeiras.

A produção industrial caiu em setembro na comparação com agosto. Em setembro, o índice de evolução da produção ficou em 48,8 pontos, contra 51,4 pontos em agosto, situando-se abaixo da linha divisória de 50 pontos. Essa queda da produção é comum para o mês, como se pode observar no gráfico abaixo. É importante destacar que, apesar da queda, o índice de setembro encontra-se em seu melhor nível para o mês desde 2014, o que demonstra que o resultado foi sazonal e menos negativo do que nos últimos anos. 

O índice de emprego, por sua vez, apresentou um aumento de 0,4 ponto no mês, atingindo 49 pontos. O valor se encontra no mesmo patamar dos últimos dois anos. Em relação a setembro de 2018, o índice oscilou 0,2 ponto negativamente, enquanto na comparação com 2017 não houve variação.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) se manteve em 69% em setembro, índice igual ao de agosto. É uma melhora de 1 ponto percentual em relação a setembro de 2018, mas o índice continua distante do patamar médio dos anos pré-crise. A UCI de setembro encontra-se 5 pontos abaixo da média do mês, considerando o período de 2011 a 2014.

O índice de UCI efetiva em relação ao usual registrou 42,9 pontos, queda de 1,2 ponto na comparação com agosto, permanecendo distante da linha divisória de 50 pontos. O índice encontra-se 0,1 ponto acima do patamar alcançado em setembro de 2018.

Após o recuo do nível de estoques em agosto, o índice de evolução de estoques aumentou 0,3 ponto em setembro na comparação mensal, alcançando 50,4 pontos e indicando um ligeiro aumento no acúmulo de estoques. Já o índice de estoque efetivo em relação ao usual apresentou nova queda, também na ordem de 0,3 ponto, para 51,4 pontos em setembro. Esse indicador mostra que, apesar do ajuste parcial ocorrido, ainda se observa um excesso de estoques dado que o valor permanece acima dos 50 pontos. Ambos indicadores são semelhantes aos registrados em setembro de 2018.

As condições financeiras das empresas apresentaram melhora no terceiro semestre. O índice de satisfação com o lucro operacional ficou em 42,3 pontos, aumento de 2,2 pontos frente ao trimestre anterior, enquanto o índice de satisfação com a situação financeira registrou 47,2 pontos, aumento de 1,5 ponto. Nesse último caso, é o melhor valor para o índice nos últimos três anos, com a exceção do quarto trimestre de 2017.

Os empresários apontam alguma melhora no acesso ao crédito no terceiro trimestre. O índice cresceu para 40,4 pontos, 0,8 ponto maior que o registrado no segundo trimestre desse ano. Ainda que tenha ocorrido um aumento, o índice situa-se abaixo de 50 pontos indicando que os empresários ainda reportam dificuldades para acessar recursos financeiros. A alta do índice, para acima dos 40 pontos, sinaliza uma tendência de melhora importante, aproximando-se dos valores registrados em 2013, última vez em que o índice se encontrou nesse patamar.

Todos os índices de expectativas permanecem acima dos 50 pontos em outubro, ou seja, indicam perspectivas positivas para os próximos seis meses. Contudo, em comparação com o setembro, os índices apresentaram pequenas oscilações negativas, à exceção das expectativas quanto à quantidade exportada. A expectativa de exportação apresentou variação positiva da ordem de 0,9 ponto, atingindo 52,5 pontos. A expectativa de demanda caiu em um ponto, quando comparada a setembro, para 56,7 pontos; a expectativa de compra de matéria-prima caiu 0,7 ponto, para 54,2 pontos; e a expectativa de número de empregados recuou meio ponto.

O índice de intenção de investimento aumentou 0,6 ponto em outubro e segue relativamente alto. A intenção de investir dos empresários recuperou a queda de setembro e retornou ao patamar registrado em agosto, atingindo 54,5 pontos. O indicador é 3,2 pontos maior que o registrado no mesmo mês de 2018, e se encontra 4,8 pontos acima da média histórica.

(Redação – Investimentos e Notícias)