Setor de serviços apresenta variação de 0,1% em outubro

  •  
Destaque Setor de serviços apresenta variação de 0,1% em outubro (Foto: Pexels) Setor de serviços apresenta variação de 0,1% em outubro

Em outubro, o setor de serviços teve variação positiva de 0,1% frente ao mês anterior (série com ajuste sazonal), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Em relação a outubro de 2017 (série sem ajuste sazonal), os serviços cresceram 1,5%. O acumulado no ano ficou em -0,2%. O acumulado em 12 meses mostrou o mesmo percentual (-0,2%), a quadragésima primeira taxa negativa seguida nessa comparação.
A variação de 0,1% de setembro para outubro foi acompanhada por duas das cinco atividades investigadas, com destaque para o ramo de outros serviços, que, ao avançar 5,5% nesse mês, recuperou-se da perda de 3,9% verificada em setembro e alcançou a taxa mais intensa desde maio de 2017 (8,5%). O outro resultado positivo veio de serviços de informação e comunicação (0,5%), que ao registrar a segunda taxa positiva seguida, acumulou um ganho de 1,1% nesse período.

Por outro lado, serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,9%) exerceram a influência negativa mais significativa do mês, cujo recuo de 2,9% no período setembro-outubro eliminou o avanço registrado em agosto (2,7%). Também mostraram taxas negativas em outubro: serviços prestados às famílias (-1,0%), cujo resultado devolveu parte do crescimento de 1,4% verificado em setembro; e transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,2%), que registrou a segunda taxa negativa seguida, acumulando nesse período perda de 1,9%, recuo, porém, não suficiente para eliminar todo o crescimento de agosto (2,7%).

Entre setembro e outubro (com ajuste sazonal), 11 das 27 unidades da federação tiveram expansão, acompanhando a variação de 0,1% no país. A estabilidade assinalada por São Paulo (0,0%) e Rio de Janeiro (0,0%) foram determinantes para a formação do índice nacional, já que representam, em conjunto, cerca de 57% do total do volume de serviços. Entre os locais que tiveram taxas positivas destaques para o Paraná (2,4%) e Rio Grande do Sul (1,7%). Já a Bahia (-2,8%) registrou a principal influência negativa.

(Redação – Investimentos e Notícias)