Produção industrial pode ter pior desempenho, aponta MUFG

  •  
Produção industrial pode ter pior desempenho, aponta MUFG Foto: Divulgação

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou relatório informando que a produção industrial cresceu 7,0% em maio, em relação ao mês de abril de 2020 (série com ajuste sazonal).

 

Segundo o IBGE, os números quebraram dois meses de resultados negativos consecutivos: -9,2% em março e -18,8% em abril.

Em relação a maio de 2019 (série sem ajuste sazonal), a indústria recuou 21,9%, sétimo resultado negativo seguido nesse tipo de comparação e a segunda queda mais elevada desde o início da série histórica, atrás apenas de abril de 2020 (-27,3%).

Já em relação ao ano, a indústria acumulou queda de 11,2%. Enquanto que em 12 meses, o recuo foi de 5,4%, o maior desde dezembro de 2016 (-6,4%).

Ainda de acordo com o instituto, o avanço de 7,0% teve perfil generalizado de crescimento, alcançando todas as grandes categorias econômicas.

Para o MUFG (Mitsubishi UFJ Financial Group, Inc), holding do Banco MUFG Brasil, o termo "green shoots" refere-se a sinais de recuperação durante a crise econômica. Essa leitura da produção industrial, juntamente com uma recuperação parcial dos índices de confiança em maio e junho, e outros indicadores antecedentes e coincidentes positivos apoiam essa visão.

Segundo a instituição, os índices de confiança de empresários e consumidores apresentaram uma recuperação mais acentuada em relação à expectativa para os próximos 3 a 6 meses, fornecendo assim bons sinais para a retomada do crescimento do PIB no segundo semestre deste ano. No entanto, o MUFG lembra que esse cenário pressupõe que o Covid-19 seja gradualmente controlado, o que é altamente incerto atualmente.

Para o banco, o ritmo da recuperação econômica tende a ser lento em meio a um cenário de condições fracas de mercado de trabalho, maior endividamento de consumidores e empresários, alta inadimplência e empresas que faliram principalmente durante o segundo trimestre.

O MUFG acredita que mesmo com a expectativa de que os números da produção industrial sigam esse caminho de recuperação durante o segundo semestre do ano, ainda pode terminar este ano mostrando o pior desempenho em comparação com serviços e agricultura. A expectativa para PIB industrial é de -10%, -7,4% para serviços e +3% para agricultura.

(Redação - Investimentos e Notícias)