Indústria espera aumento do emprego nos próximos meses

  •  
Indústria espera aumento do emprego nos próximos meses (Foto: Divulgação) Indústria espera aumento do emprego nos próximos meses

Pela primeira vez em quase quatro anos, o empresário industrial prevê aumento do número de empregados para os seis meses seguintes, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Essa expectativa é acompanhada de maior otimismo do empresário com relação à demanda, tanto interna quanto externa, e às compras de matérias-primas, também nos próximos seis meses. 

Janeiro é um mês tipicamente de fraca atividade industrial, assim como dezembro, por conta do fim das encomendas para as vendas de final de ano. Os índices de atividade mostram os recuos menos intensos para o mês em quatro anos, enquanto a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) ficou em 65%, percentual ainda baixo, mas superior ao registrado em janeiro dos últimos dois anos.

Produção industrial

A produção industrial continuou em queda em janeiro de 2018, na comparação com dezembro de 2017. O índice de evolução da produção ficou em 48,4 pontos, abaixo da linha divisória de 50 pontos. Mesmo demonstrando recuo da atividade industrial, o índice é 6 pontos maior que o registrado em dezembro de 2017 e 4,2 pontos acima do registrado em janeiro de 2017.

A queda na produção em janeiro e em dezembro são esperadas: a produção industrial costuma ser menor nesses meses devido ao fim das encomendas para as vendas de final de ano. Ressalte-se, contudo, que o índice de janeiro é superior aos registrados nos meses de janeiro desde 2014. 

Emprego 

Da mesma forma, o emprego industrial sofreu nova queda na passagem do ano. O índice de evolução do número de empregados registrou 48,6 pontos em janeiro de 2018. Contudo, vale ressaltar que a queda registrada pelo índice é também menos intensa que a registrada em dezembro, além de ser a menor para o mês dos últimos quatro anos.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) aumentou 1 ponto percentual entre dezembro de 2017 e janeiro de 2018, alcançando 65%. Com relação a janeiro de 2017 e 2016, a variação é de 2 e 3 pontos percentuais (p.p.), respectivamente. Ainda assim, a UCI segue em patamar muito baixo.

O percentual de janeiro é 5 p.p. inferior à média para o mês entre 2011 e 2016 (70%). A baixa utilização da capacidade também pode ser verificada pelo índice de UCI efetiva em relação ao usual. O índice foi para apenas 42,5 pontos, muito inferior à linha divisória de 50 pontos, que separa utilização abaixo e acima do usual. 

Pelo segundo mês consecutivo, todos os índices de expectativas mostram aumento do otimismo dos empresários. Os empresários acreditam em aumento mais intenso da demanda e da quantidade exportada, e pretendem ampliar as compras de matérias-primas. Destaque-se que o empresário pretende expandir o número de empregados. 

Investimentos 

O índice de intenção de investimento aumentou 0,6 ponto em fevereiro. Com o aumento, o oitavo consecutivo, o índice alcançou 53,6 pontos, o maior valor desde maio de 2014, quando registrou 54,6 pontos. O índice encontra-se 5,8 pontos acima da média histórica do indicador, de 47,8 pontos, e 6,7 pontos acima do registrado em fevereiro de 2017.

(Redação – Investimentos e Notícias)