Indicador mostra continuidade da recuperação gradual do mercado de trabalho

  •  
Indicador mostra continuidade da recuperação gradual do mercado de trabalho (Foto: Divulgação) Indicador mostra continuidade da recuperação gradual do mercado de trabalho

Em setembro, o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da Fundação Getulio Vargas subiu 0,3 ponto, para 87,1 pontos, número próximo ao da média histórica do período iniciada em junho de 2008. Em médias móveis trimestrais, o indicador avançou 0,2 ponto, para 87,0 pontos, pela segunda vez consecutiva.

“A suave alta em setembro compensa a queda observada no mês anterior e mantém o indicador na trajetória positiva, atingindo o maior nível desde abril de 2019. O resultado sugere continuidade da recuperação gradual do mercado de trabalho nos próximos meses, e mostra que ainda há um longo caminho pela frente ” afirma Rodolpho Tobler, economista da FGV IBRE.

Indicador Coincidente de Desemprego

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) caiu 0,6 ponto em setembro, para 92,9 pontos, nível ainda distante da média histórica de 84,1 pontos. O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado. Em médias móveis trimestrais o indicador caiu pela terceira vez, em 0,6 ponto.

“O ICD voltou a registrar resultado favorável em setembro após um tropeço em agosto. Apesar do bom resultado no mês, o patamar elevado do indicador sugere que a melhora na taxa de desemprego deve continuar devagar”, continua Rodolpho Tobler.

Destaques do IAEmp e ICD

Em setembro, cinco dos sete indicadores contribuíram positivamente para o resultado do IAEmp, com destaque para o Indicador de Tendência dos Negócios para os próximos seis meses do setor de Serviços, que subiu 3,0 pontos.

No mesmo período, a queda do ICD foi influenciada pelas as classes de renda familiar mensal entre R$ 2.100.00 e R$ 4.800.00 e entre R$ 4.800.00 e R$ 9.600.00, que recuaram 3,7 e 1,8 pontos, respectivamente.

(Redação – Investimentos e Notícias)