Expectativa de inflação dos consumidores cai em fevereiro

  •  
Destaque Expectativa de inflação dos consumidores cai em fevereiro (Foto: Pexels) Expectativa de inflação dos consumidores cai em fevereiro

Em fevereiro, a expectativa mediana dos consumidores brasileiros para inflação nos 12 meses seguintes recuou 0,1 ponto percentual em relação a janeiro, para 4,9%, o menor valor desde julho de 2007 (4,8%), segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Na comparação com o mesmo período do ano anterior, houve redução de 0,5 ponto percentual.

“A estimativa mediana de inflação projetada pelos consumidores para os próximos 12 meses vem diminuindo nos últimos quatro meses, após o período eleitoral. As expectativas mais favoráveis, isso é, de uma inflação mais baixa vem sendo influenciada pelo maior otimismo dos consumidores com relação à situação econômica do país e redução de incertezas. A tendência nos próximos meses é que esse resultado se torne mais estável ou com pequenas variações, considerando o ritmo gradual de recuperação da economia”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor, da FGV/IBRE.

Analisando a frequência da inflação prevista considerando faixas, a parcela dos consumidores que projetam valores dentro dos limites de tolerância (2,75%-5,75%) da meta de inflação estabelecida para 2019 diminuiu de 61,4% em janeiro para 60,5% em fevereiro. Ainda assim, isso mostra que grande parte dos consumidores mantem suas expectativas ancoradas. A proporção de consumidores projetando valores no limite inferior (2,75%-4,25%) subiu 0,3 ponto percentual, para 40,4%, enquanto que a parcela dos que esperam uma inflação dentro do limite superior (4,25%-5,75%) diminuiu de 21,3% para 20,1%.

Na análise por faixas de renda, observamos que a queda de fevereiro foi influenciada pelas famílias com renda mensal até R$ 2.100,00. Para esses consumidores, a expectativa de inflação para os próximos 12 meses diminuiu 0,7 ponto percentual, para 5,4%. Nas demais faixas de renda, as expectativas se mantiveram estáveis.

(Redação – Investimentos e Notícias)