Confiança da Indústria recua em outubro

  •  
Confiança da Indústria recua em outubro (Foto: Pexels) Confiança da Indústria recua em outubro

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas recuou 2,0 pontos em outubro de 2018, para 94,1 pontos – o menor desde setembro de 2017 (93,4 pontos). Com o resultado, o índice atinge sua terceira queda consecutiva e acumula perda de 6,0 pontos. 

“A queda da confiança em outubro pelo terceiro mês consecutivo e sua disseminação por quase 60% dos segmentos industriais foi influenciada por uma deterioração no ambiente de negócios. A piora do cenário externo e o câmbio parecem ter peso adicional negativo na demanda, gerando efeito redutor nas expectativas de produção. A proximidade do fim do processo eleitoral parece já gerar um efeito positivo nos empresários, mas ainda insuficiente para reverter a tendência de queda da confiança no setor.”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das Sondagens da FGV IBRE. 

O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 2,3 pontos em outubro, para 92,9 pontos, a terceira queda consecutiva. Assim como o ICI, retorna ao patamar de setembro de 2017 (90,8 pontos). O Índice de Expectativas (IE) recuou 1,6 ponto, para 95,5 pontos, o menor desde agosto de 2017 (94,8 pontos). O movimento de queda do ISA afetou 9 dos 18 segmentos pesquisados. Já nas expectativas, a queda foi mais difusa: atingiu 11 segmentos; Em termos agregados, houve piora da confiança em 11 dos 19 segmentos industriais pesquisados.

O indicador que avalia o nível de demanda atual foi a principal influência no recuo do ISA no mês, com queda de 3,6 pontos, para 91,2 pontos. O percentual de empresas avaliando o nível de demanda como forte caiu de 9,2% para 7,9%, enquanto a parcela das que o avaliam como fraco subiu de 23,9% para 26,3% do total.

As expectativas dos empresários sobre a produção nos próximos três meses foram o principal componente a influenciar o recuo do IE em outubro. O indicador caiu 5,4 pontos, para 93,0 pontos, menor nível desde fevereiro de 2017 (89,2 pontos). Houve diminuição da proporção de empresas prevendo aumento da produção, de 36,6% para 30,9%, e também da parcela das que esperam redução, em menor magnitude, de 23,1% para 20,0% do total.

Por fim, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) recuou 0,5 ponto percentual (p.p.) em outubro, para 76,4%.

(Redação – Investimentos e Notícias)