BC reduz taxa básica de juros para 2,00% ao ano

  •  
BC reduz taxa básica de juros para 2,00% ao ano Foto: Divulgação

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou hoje, 5, a redução da taxa básica de juros, Selic, em 0,25 ponto percentual, para 2,00% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos.

Segundo o Comitê do Banco Central, no cenário externo, a pandemia da Covid-19 continua provocando a maior retração econômica global desde a Grande Depressão. Com isso, o ambiente para as economias emergentes segue desafiador.

Na 232ª reunião, o Copom apontou que "em relação à atividade econômica brasileira, indicadores recentes sugerem uma recuperação parcial". segundo o BC, mesmo com programas do governo para recomposição de renda, os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social ainda permanecem bastante deprimidos.

O Comitê avaliou também, que diversas medidas de inflação subjacente permanecem abaixo dos níveis compatíveis com o cumprimento da meta. As expectativas de inflação para 2020, 2021 e 2022 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 1,6%, 3,0% e 3,5%, respectivamente.

No cenário híbrido, com trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus e taxa de câmbio constante a R$5,20/US$*, as projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 1,9% para 2020, 3,0% para 2021 e 3,4% para 2022. Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2020 em 2,00% a.a. e se eleva até 3,00% a.a. em 2021 e 5,00% a.a. em 2022.

Já no cenário com taxa de juros constante a 2,25% a.a. e taxa de câmbio constante a R$5,20/US$*, as projeções de inflação situam-se em torno de 1,9% para 2020, 3,0% para 2021 e 3,7% para 2022.

A instituição alerta que um conjunto de fatores pode alterar esse cenário, inclusive as incertezas quanto ao prolongamento da pandemia e frustrações em relação à continuidade das reformas fiscais.

*Valor obtido pelo procedimento usual de arredondar a cotação média da taxa de câmbio R$/US$ observada nos cinco dias úteis encerrados no último dia da semana anterior à da reunião do Copom.


(Redação - Investimentos e Notícias)