Atividade industrial inicia ano em recuperação

  •  
Atividade industrial inicia ano em recuperação (Foto: Pexels) Atividade industrial inicia ano em recuperação

A pesquisa Indicadores Industriais de fevereiro de 2019 mostra que a atividade industrial segue em recuperação, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os dados dessazonalizados mostram que as horas trabalhadas na produção cresceram pelo quarto mês consecutivo e estão em nível superior ao registrado em fevereiro de 2018. o de fevereiro é quase o mesmo (0,1% abaixo) do mesmo mês de 2018. 

O faturamento real da indústria aumentou 1,6% em fevereiro de 2019 na comparação com o mês anterior, após os ajustes sazonais. O crescimento de fevereiro não compensa a queda do mês anterior, de 3,6%. O faturamento vem oscilando desde o início do segundo semestre de 2018, alternando altas e baixas. Os resultados negativos vêm superando os positivos, de forma que o faturamento cai 1,2% na comparação com fevereiro de 2018 e o acumulado no 1º bimestre de 2019 é 1,5% menor que o observado no mesmo período de 2018.

O emprego industrial recuou 0,1% em fevereiro de 2019, na série dessazonalizada, após crescimento de 0,1% no mês anterior. Com isso, o emprego registra estabilidade após o forte resultado de dezembro, crescimento de 0,8%. O emprego de fevereiro é 0,1% menor que o registrado em fevereiro de 2018, enquanto o acumulado no bimestre é idêntico ao de 2018.

As horas trabalhadas cresceram 1,6% em fevereiro frente ao mês anterior, após o ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção vem crescendo de forma ininterrupta há quatro meses, acumulando alta de 5,7% no período. Horas trabalhadas é a única das variáveis dos Indicadores Industriais com alta na comparação com 2018. Na comparação com fevereiro de 2018, o crescimento é de 3%; a comparação bimestral mostra alta de 1,8%.

A massa salarial recuou 0,7% em fevereiro de 2019, na comparação com janeiro, na série dessazonalizada. A queda sucede recuo de 1,3% no mês anterior. A massa salarial paga em fevereiro de 2019 é 3% inferior a do mesmo mês de 2018, enquanto o acumulado no bimestre é 2,1% menor.

O rendimento médio real também recuou 0,7% em fevereiro de 2019, na comparação com o mês anterior, considerando a série dessazonalizada. Em janeiro, o rendimento havia registrado queda de 2,2%; assim, o recuo acumulado em 2019 supera o aumento registrado em dezembro de 2018, de 2,6%. O rendimento médio real de fevereiro de 2019 é 2,9% inferior ao registrado em fevereiro de 2018. Já o acumulado no 1º bimestre de 2019 é 2,1% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado.

Por fim, a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) de fevereiro de 2019 ficou em 78%, na série livre de efeitos sazonais. Trata-se de aumento de 0,1 ponto percentual frente ao resultado de janeiro. Com isso, a UCI registra alta acumulada de 1,8 p.p. no bimestre, frente a dezembro de 2018. Ao se comparar tanto o resultado de fevereiro quanto o acumulado no bimestre com igual período de 2018, o resultado é o mesmo, queda de 0,3 p.p..

(Redação – Investimentos e Notícias)