Atividade da construção recua em abril

  •  
Atividade da construção recua em abril (Foto: Pexels) Atividade da construção recua em abril

Os indicadores de nível de atividade e de número de empregados seguem registrando valores abaixo da linha divisória de 50 pontos, o que denota queda da atividade e do emprego, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Além disso, esses dois indicadores apresentaram as primeiras quedas do ano na passagem de março para abril, o que os afastou ainda mais de um melhor desempenho da atividade e do emprego do setor.

Por outro lado, os indicadores de expectativa registraram, em sua maioria, crescimento na passagem de abril para maio. Todos esses indicadores seguem acima dos 50 pontos, o que sinaliza expectativa de crescimento do setor nos próximos meses.

O índice de Confiança do Empresário da Construção (ICEI-Construção) apresentou novo recuo – de 1,0 ponto na passagem de abril para maio –, atingindo 53,8 pontos. Ainda assim, o índice permanece acima dos 50 pontos, o que indica confiança dos empresários do setor da construção

Os indicadores de nível de atividade e de número de empregados atingiram, em abril, 46,9 e 44,6 pontos, variação de -0,2 e de -0,8 ponto, respectivamente, ante março. Foram as primeiras quedas registradas em 2018.

Apesar disso, na comparação com igual período do ano anterior, os indicadores cresceram 3,6 e 2,3 pontos, respectivamente, o que indica um arrefecimento no ritmo de queda do nível de atividade e do número de empregados do setor em relação a 2017.

O indicador de nível de atividade em relação ao usual caiu 0,4 ponto, em abril, ao atingir 35,3 pontos, retornando a patamares do início do ano. A queda do indicador distancia ainda mais o nível de atividade atual com o usual para o mês. A indústria da construção opera abaixo de 50 pontos desde fevereiro de 2012.

A Utilização da Capacidade Operacional (UCO) registrou 60% em abril, três pontos percentuais (p.p.) acima do observado em março e dois p.p. abaixo da média histórica para o mês. 

Os indicadores de expectativa apresentaram leve crescimento em maio, revertendo a queda observada em abril. Exceção apenas para expectativa do número de empregados, que registrou queda de 0,6 ponto.
Os indicadores de expectativa do nível de atividade e de novos empreendimentos e serviços aumentaram 0,2 e 0,5 ponto, respectivamente, atingindo 54,7 e 53,7 pontos, em maio. Já o indicador de compras de insumos e matérias-primas ficou estável, permanecendo em 53,3 pontos.

Todos os indicadores de expectativa permaneceram acima da linha divisória de 50 pontos, o que aponta para crescimento do nível de atividade, de novos empreendimentos e serviços, compras de insumo e matérias-primas, e número de empregados nos próximos seis meses.

O indicador de intenção de investimento caiu 1,9 ponto na passagem de abril para maio, atingindo 33,3 pontos. Na comparação com o mesmo mês de 2017, o indicador apresentou alta de 4,8 pontos. O índice varia no intervalo de 0 a 100. Quanto maior o índice, maior é a intenção de investimento.

O índice de confiança do empresário da construção (ICEI-Construção) caiu pela segunda vez consecutiva na passagem de abril para maio. Apesar da queda – de 1,0 ponto –, o ICEI atingiu 53,8 pontos, o que significa continuidade na confiança dos empresários do setor da construção. 

O resultado do ICEI está ancorado no indicador de Expectativa, que apesar da queda, segue acima de 50 pontos, sinalizando maior otimismo dos empresários para os próximos seis meses. 
O Índice de Condições Atuais, por outro lado, recua pelo segundo mês consecutivo, afastando-se mais uma vez da linha divisória de 50 pontos, o que aponta que as condições correntes de negócio da indústria da construção voltaram a piorar. Ressalte-se que em março o índice havia atingido 50,3 pontos.