Proposta de aumento do salário mínimo em 2015. Quais as vantagens?

Proposta de aumento do salário mínimo em 2015. Quais as vantagens? (Foto: Divulgação) Proposta de aumento do salário mínimo em 2015. Quais as vantagens?

Desde o ano 2000, com a Lei complementar nº 103, foi instituído o piso salarial estadual, o que permitiu que os estados pudessem instituir valores mínimos devidos aos trabalhadores. O que temos então é o salário mínimo estipulado por Lei, dos trabalhadores que não se encontram inseridos em nenhuma categoria e não tem seu salário definido por lei federal. O salário mínimo além de definir o salário destes trabalhadores, também defini o valor da previdência social e seguro desemprego. 

Por outro lado, temos as categorias de trabalhadores, exemplo os metalúrgicos, os metroviários, os professores, dentre tantos outros. O salário destes é regido por uma Convenção Coletiva de Trabalho, a convenção coletiva é o acordo realizado entre o sindicato dos representantes da classe dos trabalhadores e o sindicato representante da classe dos empregadores.

Uma vez ao ano ocorre a negociação que ocorre em determinada data e se chama data base, é nesse momento que se negocia os reajustes salariais, benefícios (auxílio alimentação, auxílio creche, seguro de vida, convênio médico, condições de trabalho, dentre tantos outros direitos e deveres) A Convenção tem o objetivo de conciliar os interesses de empregados e empregadores.

Quando não há a negociação de reajustes chama-se dissídio e passa a ser julgado pela Justiça do Trabalho e esta vai determinar apenas o índice do reajuste.

O Ministério do Trabalho e Emprego é o órgão competente que exige o cumprimento da Convenção Coletiva e o órgão efetua fiscalizações junto às empresas, solicitando folhas de pagamentos, convenções e outros documentos, caso verifique irregularidades, o Ministério lavra auto de notificação e determina que a empresa cumpra a Convenção e estipula prazo para isso. Também pode ser lavrado auto de infração e aplicar multas em caso de não observância da Convenção.

Pode ocorrer da empresa negar direitos aos trabalhador que se encontram garantidos pela convenção coletiva, a exemplo, deixar de pagar o piso salarial, ou deixar de garantir o auxílio alimentação, neste caso, ao trabalhador resta propor uma ação na justiça exigindo seus direitos.

Os direitos inadimplidos, acabam sendo determinados pela Justiça, devendo o empregador adimplir os valores atrasados acrescidos de juros.

Outro exemplo, desde 2008 temos a Lei do Piso estipulada para profissionais do magistério público para jornadas de no máximo 40 horas semanais. Assim, o MEC determina o reajuste salarial da categoria dos professores, o Governo Federal repassa para todos os municípios e muitas prefeituras deixam de repassar o reajuste aos professores, atrasam 1, 2, até 5 meses ou mais, situações que infelizmente necessitam ser corrigidas através da justiça. Há casos em que a prefeitura mesmo toma providência através da câmara de vereadores (aprovando lei de pagamento para reajustes atrasados).

Nesse sentido, havendo quaisquer irregularidades e negativa de direitos o trabalhador deve informar ao Ministério do Trabalho e Emprego, bem como o Sindicato de sua categoria e ajuizar demanda perante a justiça buscando a regularização da situação.

Quanto a ausência de anotação em CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social)

Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS é um documento obrigatório para toda pessoa que venha a prestar algum tipo de serviço a outra pessoa (como empregado), seja na indústria, no comércio, na agricultura, na pecuária e de natureza doméstica.

A ausência de anotação da CTPS constitui falta gravíssima e gera ao empregado incontáveis prejuízos. A ausência de anotação em CTPS e a sua não inclusão na RAIS (Relação Anual de Informações Sociais) impede o empregado de participar do Programa de Integração Social (PIS), gera prejuízos na comprovação de tempo de serviço para fins de aposentadoria e, ainda, é possível a condenação da empresa por danos morais, bem como a investigação da mesma mediante emissão de ofício ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e Delegacia Regional do Trabalho.

Importante ressaltar que a ausência de anotação em CTPS não se resume em apenas uma infração administrativa, trata-se de falta grave e ofensa ao que determina a legislação trabalhista.

Também o fato do empregador realizar anotações que desabonam o funcionário na CTPS, dependendo da gravidade das anotações ou da prática discriminatória, ou ainda, havendo a intenção de causar danos ou constrangimento ao empregado, sujeita o empregador a reparar o empregado através de danos morais.

Thalita Frediani, bacharel em Direito e Pós-Graduada em Direito Processual Civil pela Escola Paulista da Magistratura