Taxas de juros têm nova queda, mostra ANEFAC

As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em fevereiro de 2017, sendo a terceira redução consecutiva e a quarta em dois anos. Para o diretor executivo de Estudos e Pesquisas da ANEFAC, Miguel José Ribeiro de Oliveira, esse resultado pode ser atribuído a dois fatores:

Taxas de juros apresentam queda no mês de março

Pesquisa de taxas de juros realizada pelo Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, em 3 de março, aponta que, três instituições financeiras que fazem parte do levantamento diminuíram a taxa do cheque especial e, duas do empréstimo pessoal. Participam da pesquisa os seguintes bancos: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander.

Diário Oficial publica resolução que proíbe juros de mercado

O Diário Oficial da União publicou hoje (1°) resolução oficializando decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciada na última quinta-feira (23). A resolução do Banco Central (BC), que entra em vigor em 1° de setembro, estabelece que as instituições financeiras não poderão mais cobrar taxas de juros de mercado dos clientes no caso de atraso nos pagamentos.

Taxa de juros situou-se em 32,8% a.a. em janeiro

A taxa média de juros das operações de crédito do sistema financeiro, consideradas as contratações com recursos livres e direcionados, situou-se em 32,8% a.a. em janeiro, com elevações de 0,8 p.p. no mês e de 1,5 p.p. em doze meses, segundo dados do Banco Central (BC). O custo médio atingiu 52,8% a.a. no crédito livre (+1,2 p.p. no mês) e 11,3% a.a. no direcionado (+0,7 p.p. no mês).

Redução da taxa de juros precisa ser acompanhada de medidas estruturais, diz FIRJAN

A manutenção do ritmo de corte da taxa de juros era esperada, à medida que as estatísticas reforçam o quadro de queda da inflação e atividade ainda no campo recessivo. De fato, a economia ainda não apresenta sinais robustos de recuperação, com desempenho pior do que o esperado, ao mesmo tempo que os preços mantêm trajetória cadente e as projeções apontam para inflação abaixo do centro da meta no fim de 2017.

 

Há espaço para recuo maior da Selic, afirma Skaf

Nesta quarta-feira (22/2), o Banco Central definiu o novo valor da Selic em 12,25% ao ano, queda de 0,75 ponto percentual.

“Ainda não é o bastante, pois existe espaço para recuos maiores da Selic”, afirma Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp.

 

Assinar este feed RSS