Mercado secundário e plataformas independentes impulsionam debêntures

As emissões de debêntures, títulos de crédito privado – duplicaram de volume entre 2017 e 2018, em comparação com a média dos quatro anos anteriores, ou seja, desde 2013. Nos dois últimos anos foram emitidos por ano uma média de R$ 125 bilhões em debêntures disponibilizadas ao mercado brasileiro, enquanto a média entre 2013 e 2016 foi de R$ 67 bilhões por ano.

Reforma da Previdência continua no foco dos investidores

O futuro do Ibovespa, encerrou o pregão da sexta-feira (28) em leve queda de 0,11%. O contrato futuro perdeu o fôlego na parte da tarde em meio à troca de carteiras de encerramento de mês e semestre e na expectativa da votação da reforma da previdência na Comissão Especial para quarta-feira (26) desta semana.

Negociações de títulos privados no mercado secundário avançam

As operações com títulos privados no mercado secundário avançaram nos dez primeiros dias úteis de junho, de acordo com dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). Na comparação ao mesmo período de maio, o volume de negócios com CRIs (Certificado de Recebíveis Imobiliários) cresceu 85%, de R$ 265 milhões para R$ 491 milhões, com alta de 6% no número de transações. Entre os CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio), o volume financeiro teve aumento de 5% (de R$ 589,3 milhões para R$ 616,3 milhões) e o número de operações saltou 9%. Quanto às debêntures, o volume financeiro foi ampliado em 14% (de R$ 3,1 bilhões para R$ 3,5 bilhões).

 

B3 recebe o ETF indexado ao Ibovespa da Bram

A B3 passa a negociar, a partir de hoje, um novo ETF indexado ao Ibovespa, o BOVB11 (ticker de negociação). O produto foi desenvolvido pelo Bradesco Asset Management (Bram) e viabilizado pela plataforma de negociação da B3.

Assinar este feed RSS