Investimentos dos brasileiros batem a marca de R$ 3 tri

Os investimentos dos brasileiros bateram a marca de R$ 3 trilhões no primeiro semestre de 2019. O volume representa avanço de 5% em relação a dezembro e de 11,2% na comparação ao mesmo período do ano passado. De acordo com as estatísticas da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), o total corresponde ao saldo das 73,8 milhões de contas de clientes atendidos pelas áreas de varejo e de private banking das instituições.

Captação líquida dos fundos de investimento cresce 226% em 2019

A indústria de fundos alcançou R$ 161,7 bilhões de captação líquida de janeiro a julho deste ano, valor 226% maior que o registrado no mesmo período do ano passado (R$ 49,6 bilhões). De acordo com dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), os aportes foram liderados pelos fundos multimercados e de ações, que somaram R$ 37,9 bilhões e R$ 32,6 bilhões, respectivamente.

Indústria brasileira de fundos tem captação líquida de R$ 24,6 bi em julho

A indústria brasileira de fundos de investimento teve captação líquida de R$ 24,6 bilhões entre os dias 1º e 26 de julho, de acordo com as estatísticas da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). No ano, até 26 de julho, a indústria de fundos acumula captação líquida de R$ 162,7 bilhões.

(redação - Investimentos e Notícias)

Com Selic, poupança pode ser mais interessante do que fundos de renda fixa

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central divulgará nesta quarta-feira (31), a nova taxa base de juros brasileira (Selic). Para o Professor de Cenários Econômicos e Macroeconomia dos cursos de MBA da Faculdade Fipecafi, Silvio Paixão, o Copom pode ter por base decisória, para definir a nova taxa básica de juros, ao menos três opções, sendo a primeira a conservadora, onde é possível que diminuam a taxa Selic - meta marginalmente para 6,25% a.a. A segunda opção, a discreta, que poderá estabelecer uma redução entre 6% a.a e 5,75% a.a, e a terceira e última opção, a diligente, onde podem implementar uma taxa Selic - meta entre 5,50% a.a. e 5% a.a.

Mercado de capitais cresce 21% em financiamento de projetos

Os investimentos em projetos estruturados de longo prazo (na modalidade de Project Finance) totalizaram R$ 36,1 bilhões no ano passado, com avanço de 21% sobre 2017. O volume se divide entre o capital próprio usado pelas companhias nas operações, que somou R$ 13,6 bilhões, e os financiamentos via emissões de dívidas, que chegaram a R$ 22,4 bilhões (aumento de 25% sobre o período anterior). De acordo com a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), entre as emissões de dívidas, a participação dos instrumentos do mercado de capitais mais que dobrou, passando de 11% em 2017, para 31% em 2018.

 

 

Indústria brasileira de fundos tem captação líquida de R$ 8,5 bi

A indústria brasileira de fundos de investimento teve captação líquida de R$ 8,5 bilhões entre os dias 1º e 12 de julho, de acordo com as estatísticas da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). No ano, até 12 de julho, a indústria de fundos acumula captação líquida de R$ 142,6 bilhões.

(Redação - Investimentos e Notícias)

Fundos de ações que investem no exterior rendem mais que aplicações nacionais

Mesmo com o recente recorde do Ibovespa, que fechou acima dos 100 mil pontos pela primeira vez na história, o desempenho da Bovespa tem estado muito aquém de outras bolsas de valores pelo mundo, como as americanas, europeias e asiáticas. Com isso, fundos de ações que atuam somente no Brasil ficaram muito atrás de fundos de ações sediados no país, mas que aplicam nas bolsas internacionais.

Assinar este feed RSS