Ibovespa sobe 0,19% impulsionado por Vale

Ibovespa sobe 0,19% impulsionado por Vale (Foto: Divulgação) Ibovespa sobe 0,19% impulsionado por Vale

O principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, apresenta ganhos nesta quinta-feira, 20, impulsionado pela alta de 4,05% da Vale e também pelo alívio no cenário político. Há pouco, o índice, operava com alta de 0,19%, aos 63.529 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 3.678 bilhões.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, o mercado tende a acompanhar o bom humor do exterior e repercutir positivamente a uma vitória na Câmara à noite, com aprovação da urgência para reforma trabalhista e a divulgação do IPCA-15 abaixo das expectativas, com acumulado de 12 meses já abaixo do centro da meta do BC. Apesar de maiores concessões para reforma da Previdência, expectativa ainda é positiva e Governo deve endurecer com base aliada para aprovação. Ainda, divulgação de produção recorde da Vale para um 1º trimestre em dia de alta no minério traz vetor positivo.

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da Vale (ON) que avançavam 4,05% e a Bradespar (PN) que apresentavam alta de 3,88%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis da Sabesp (ON), que decaíram 4,91% e da Rumo (ON) que recuavam 1,81%.

Empresas

A Vale divulgou que atingiu o recorde em produção de minério de ferro no primeiro trimestre de 2017. Com isso, a Companhia obteve 86,2 Mt na produção de minério de ferro, ficando 11,2% maior do que no 1T16, devido, principalmente, ao ramp-up dos projetos S11D e Itabiritos no Sistema Sudeste.

Agenda

E abrindo a agenda de indicadores internos, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, registrou alta de 0,43% na segunda semana de abril, contra os 0,31% registrados na semana anterior. Nesta apuração, o item de Saúde pesa mais no orçamento doméstico, passando de 0,87% para 1,18%. No mesmo sentido, o grupo de Alimentação apresentou ganhos (0,84% para 1,07%).

Já a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou que o monitor do PIB-FGV, com informações até fevereiro do corrente ano, mostra que o PIB cresceu 0,78% em fevereiro comparativamente a janeiro.

Entretanto, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) teve variação de 0,21% em abril e ficou acima da taxa de 0,15% de março, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mês, os grupos Alimentação e Bebidas, com 0,31% de variação e impacto de 0,08 p.p., aliado a Saúde e Cuidados Pessoais, com 0,91% e 0,10 p.p., que, juntos, somam 0,18 p.p., foram os principais responsáveis pelo resultado do IPCA-15.

Exterior

No exterior, o Destatis anunciou que o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da Alemanha ficou estável em 0,0% em março deste ano, um resultado em linha com o esperado pelo mercado (+0,0%).

Além disso, o Indicador que mede a confiança do consumidor na Zona do Euro deverá registrar -3,6 em abril, ficando acima dos -5,0 pontos registrados no mês anterior. Os dados são da Comissão Europeia.

Nos EUA, os pedidos semanais de auxílio-desemprego registraram alta, segundo dados do departamento do Trabalho. Na semana terminada em 14 de abril, foram registrados 244 mil pedidos de seguro-desemprego. Os analistas esperavam 242 mil pedidos na semana avaliada, contra os 234 registrados na semana anterior.

Por fim, o Federal Reserve da Filadélfia (Fed) divulgou que o nível da atividade industrial na região da Filadélfia, nos Estados Unidos, avançou para 22 pontos em abril deste ano, contra os 32,8 pontos registrados no mês anterior. O dado veio abaixo do que o previsto pelo mercado, que estimava expansão para 25 pontos.

(MR – Agência IN)