Ibovespa recua pressionado por China

Ibovespa recua pressionado por China (Foto: Divulgação) Ibovespa recua pressionado por China

O principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, opera com perdas nesta quinta-feira, 23, pressionado pelo mercado chinês. Há pouco, o índice, operava com queda de 0,05%, aos 74.481 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 2.403 bilhões.

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da Cemig (PN) que avançavam 2,94% e a Copel (PNB) que apresentavam alta de 2,87%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis da Ecorodovias (ON), que decaíram 2,20% e da Rumo (ON) que recuavam 2,02%.

Agenda

E abrindo a agenda de indicadores internos, a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou que o índice de preços ao consumidor - semanal (IPC-S) de 22 de novembro de 2017 apresentou variação de 0,32%, uma alta de 0,02 ponto percentual (p.p.) em relação a última divulgação.

Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi de 0,32% em novembro e ficou 0,02 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa de outubro (0,34%). O acumulado no ano está em 2,58%, inferior aos 6,38% do mesmo período de 2016. Esse foi o menor acumulado para um mês de novembro desde 1998 (1,52%). Já o acumulado nos últimos doze meses ficou em 2,77%, acima dos 2,71% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Exterior

Com o feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, a Europa ganha destaque. O índice gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) composto, medida ampla do setor privado que combina dados manufatureiros e de serviços, da zona do euro deverá registrar 57,5 pontos em novembro, uma alta em relação aos 56 pontos registrados no mês anterior, segundo dados preliminares divulgados pelo instituto Markit Economics.

Além disso, o Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha, maior economia da Europa, cresceu 0,8% no terceiro trimestre de 2017, segundo dados da agência federal de estatísticas Destatis. O número veio em linha com o registrado no trimestre anterior (0,8%).

(MR – Investimentos e Notícias)