EUA e Reino Unido no radar dos investidores

EUA e Reino Unido no radar dos investidores (Foto: Divulgação) EUA e Reino Unido no radar dos investidores

As principais bolsas de valores globais apresentam sinais opostos nesta quinta-feira, 30, com investidores de olho nos Estados Unidos e Reino Unido. Aqui no Brasil, o Ibovespa recua 0,33%.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, os mercados operam de olho nos dados divulgados pela manhã nos EUA, atenções voltadas ao Brexit e discursos de dirigentes do FED.

Ásia

No continente asiático, as bolsas encerraram o dia em queda, com destaque para Shanghai, que registrou a quarta queda consecutiva.

Europa

Na Europa, as bolsas fecharam com sinais opostos. Em Frankfurt, o DAX subiu 0,44%, a 12.256 pontos. Em Londres, o FTSE caiu 0,06%, aos 7.369 pontos, enquanto o CAC 40 registrou ganhos de 0,41%, aos 5.089 pontos.

Entre os dados divulgados na região, o Indicador que mede a confiança do consumidor na Zona do Euro registrou -5 pontos em março, ficando em linha com os -5 pontos registrados no mês anterior. Já o indicador que mede a confiança econômica na Zona do Euro recuou em março, chegando aos 107,9 pontos ante marca de 108 pontos verificada no mês anterior. Os dados são da Comissão Europeia.

Por outro lado, o Destatis revelou que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC, ou CPI na sigla em inglês) da Alemanha deverá apresentar ganhos em março se comparado com o mês anterior. O índice deve subir a 0,2% e veio em linha com as expectativas dos analistas de mercado.

Vale destacar que ontem a primeira ministra do Reino Unido, Theresa May, entregou para o presidente do Conselho Europeu a comunicação formal da intenção do país sair da União Europeia, dando início ao período de dois anos voltados para as negociações do novo relacionamento entre as partes.

Estados Unidos 

Em Wall Street, bolsas apresentam ganhos. Com isso, o índice Dow Jones sobe 0,28% aos 20.717 pontos; o S&P 500 avança 0,32% a 2.368; e a bolsa eletrônica Nasdaq apresenta alta de 0,23% aos 5.911 pontos.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 2,1% no quarto trimestre de 2016 (4T16) na série anualizada, contra 1,9% do trimestre anterior, segundo dados do governo. De acordo com o relatório, o aumento com gastos de consumo pessoal (PCE) foi a maior contribuição para o aumento.

Já os pedidos semanais de seguro-desemprego caíram nos Estados Unidos, segundo dados publicados pelo departamento do Trabalho. O departamento recebeu 258 mil pedidos na semana que acabou em 24 de março, uma queda de três mil pedidos em relação a semana anterior, enquanto que os analistas esperavam uma queda de 248 mil.

Brasil

Aqui no Brasil, o Ibovespa apresenta perdas com investidores avaliando dados internos. Há pouco, o índice, operava com queda de 0,33%, aos 65.311 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 4.081 bilhões.

Agenda

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) variou 0,01% em março, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Em fevereiro, o índice variou 0,08%. Em março de 2016, a variação foi de 0,51%. A variação acumulada em 2017, até março, é de 0,74%. Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 4,86%.

Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o comércio varejista nacional iniciou o ano de 2017 com queda de 0,7% para o volume de vendas e -0,8% para receita nominal, ambas as taxas em relação a dezembro de 2016, na série ajustada sazonalmente.

Além disso, o Banco Central (BC) reduziu a projeção para o crescimento da economia este ano. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi ajustada de 0,8%, estimativa de dezembro, para 0,5%, de acordo com o Relatório de Inflação divulgado hoje.

Política

O Orçamento-Geral da União terá um corte de R$ 42,1 bilhões, informaram ontem os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira. Eles também anunciaram o aumento de tributos para cumprir a meta de déficit primário (resultado negativo nas contas públicas sem o pagamento de juros) de R$ 139 bilhões para este ano.

Câmbio

Para finalizar, o dólar opera com ganhos de 0,61%. Há pouco, a moeda era vendida a R$ 3,136.

(MR – Agência IN)