EUA devem influenciar pregão global

  •  
EUA devem influenciar pregão global (Foto: Divulgação) EUA devem influenciar pregão global

As principais bolsas de valores globais só devem definir uma tendência nesta sexta-feira, 06, após a divulgação dos dados de emprego nos Estados Unidos. Diante deste cenário, os índices europeus e o indicador futuro das bolsas norte-americanas operam em campo positivo. 

Na Ásia, as bolsas encerraram o último pregão da semana em queda, direção contrária a que foi exibida pelas moedas da região, que se valorizam frente ao dólar nesta manhã.

Enquanto isso, na Europa, as bolsas apresentam ganhos nesta manhã, à espera dos dados de emprego nos EUA.

Na região, a produção industrial alemã avançou 0,2% entre março e abril, após queda de 0,6% registrada no mês anterior. A produção de energia cresceu 2,7%, enquanto a indústria de construção recuou 1,2%.

Além disso, a Federação Europeia de Bancos (EBF) advertiu que a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de levar uma das taxas de juros a território negativo, uma medida que considera principalmente simbólica, pode repercutir nos clientes.

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em campo positivo. Mas, investidores aguardam a divulgação dos dados de emprego da região.

Aqui no Brasil, o Ibovespa deverá acompanhar o cenário externo.

E abrindo a agenda de indicadores internos, a Fundação Getulio Vargas (FGV) anunciou que o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou -0,45% em maio. A variação registrada em abril foi de 0,45%.

Por outro lado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta sexta-feira, 06, que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de maio apresentou variação de 0,46%, ficando 0,21 ponto percentual abaixo da taxa registrada no mês de abril (0,67%). Alimentação e Bebidas (de 1,19% em abril para 0,58% em maio), que mais uma vez apresentou desaceleração no ritmo de crescimento de preços, e Transporte (de 0,32% para -0,45%), que chegou a se mostrar em queda, foram os responsáveis pela redução da taxa do IPCA de maio.

Para finalizar, no mercado de câmbio, a decisão de ontem do BCE volta a enfraquecer o euro, depois de a moeda reagir de forma inesperada após o anúncio.

(MR – Agência IN)