Desempenho do Ibovespa em 2016 e ata do Fed são destaques da última semana

Destaque Desempenho do Ibovespa em 2016 e ata do Fed são destaques da última semana Foto: Divulgação Desempenho do Ibovespa em 2016 e ata do Fed são destaques da última semana

Além da boa valorização anual do IBOV, os destaques dos últimos dias ficam por conta da alta do Real ante ao dólar em 2016 e do PMI composto da zona do euro que chegou ao maior patamar dos últimos 5 anos.

BRASIL 
Mercados domésticos 
Mesmo após um período difícil em 2016, o Índice Bovespa encerrou o ano com uma boa performance, apresentando alta de 38,9%. Essa é a maior alta entre os 18 principais mercados acionários do mundo. Por outro lado, os fundos de investimentos indexados ao dólar perderam 15,3%. O Real, por sua vez, foi a moeda que mais se valorizou em 2016, fechando com alta de 17,8% em relação ao dólar. Isso é resultado, entre outros fatores, da mudança no ambiente político do país. Contudo, a economia brasileira deve continuar estagnada em 2017. 

Cenário Político 
Essa semana o presidente Michel Temer retomou as reuniões no Palácio do Planalto. O destaque está na sucessão da Câmara dos Deputados e do Senado Federal no início do mês de fevereiro.

O atual presidente da Câmara fez declarações a favor da PEC da Reforma da Previdência em entrevista coletiva, afirmando que, se aprovada, a proposta pode contribuir para a redução da taxa básica de juros para abaixo de dois dígitos até o final de 2017. 

No que se refere ao setor imobiliário, o governo tem preparado medidas que incluem regras para desistência de compra ou venda do imóvel na planta. A iniciativa parece ser uma nova fase de medidas voltadas à retomada do crescimento. 

Cenário Corporativo 
No cenário corporativo, a Petrobras (PETR4) ganhou destaque depois das especulações sobre um possível reajuste do combustível. A Vale (VALE5), por sua vez, anunciou que dada a complexidade do processo de licenciamento da Samarco, ainda não é possível estimar com segurança a data para a sua conclusão. Por fim, a Braskem (BRKM5) confirmou que não descarta a possibilidade de captação de recursos no mercado internacional. 

MUNDO 
EUA 
O PMI do setor industrial dos Estados Unidos subiu, passando de 54,1 em novembro para 54,3 em dezembro de 2016. O índice de atividade industrial medido pelo ISM acelerou para de 53,2 para 54,7 em dezembro do mesmo ano. 

A ata da última reunião do Federal Reserve em 2016 veio menos agressiva do que se esperava. O banco central norte-americano citou dúvidas quanto ao timing, magnitude e composição das iniciativas futuras. Além disso, citou "incerteza considerável" quanto ao possível impacto das medidas do futuro governo de Donald Trump na economia. 

A taxa de desemprego nos Estados Unidos subiu levemente a 4,7% em dezembro de 2016, após tocar 4,6% em novembro. Naquele mês o patamar verificado significou o menor nível desde agosto de 2007. A taxa de participação na força de trabalho dos EUA avançou marginalmente em dezembro, chegando a 62,7% e gerando 156 mil postos de trabalho. Em novembro de 2016, a taxa era de 62,6%. 

Europa 
O índice de gerentes de compras (PMI) composto da zona do euro, que engloba os setores industrial e de serviços, subiu a 54,4 em dezembro de 2016 chegando ao maior nível em 5 anos. O PMI do setor industrial da zona do euro avançou para 54,9 em dezembro, de 53,7 em novembro. Este foi o maior nível atingido desde abril de 2011. Apenas o PMI de serviços da zona do euro mostrou ligeiro recuo em dezembro, em novembro era de 53,8 e em dezembro fechou em 53,7. 

Ásia 
O PMI do setor industrial do Japão subiu de 51,3 em novembro para 52,4 em dezembro de 2016. O PMI do setor de serviços do Japão avançou de 51,8 em novembro para 52,3 em dezembro. 

O PMI do setor de serviços chinês, por sua vez, subiu para 53,4 em dezembro, de 53,1 em novembro. O PMI industrial da China caiu para 51,4 em dezembro, uma vez que em novembro o nível era de 51,7. Esta foi a primeira queda após quatro meses de avanço.

(Redação - Agência IN)

Última modificação emSegunda, 09 Janeiro 2017 12:05