Dados globais devem influenciar pregão

  •  
Dados globais devem influenciar pregão (Foto: Divulgação) Dados globais devem influenciar pregão

As principais bolsas de valores globais devem apresentar movimentos opostos nesta segunda-feira, 23, influenciadas por dados divulgados ao redor do Mundo. Diante deste cenário, os índices europeus e o indicador futuro das bolsas norte-americanas operam em campo negativo.

Na Ásia, as bolsas encerraram o primeiro pregão da semana sem direção definida. Na China, a despeito do resultado positivo do índice PMI, a bolsa de Shanghai mostrou ligeira queda. Por sua vez, a bolsa de Tóquio fechou em ligeira alta.

Hoje, o Markit Economics divulgou que o índice PMI-Markit da indústria de transformação da China chegou aos 50,8 pontos em junho, segundo resultado prévio divulgado ontem à noite, surpreendendo as expectativas (49,7) e superando o registrado em maio (49,4).

Enquanto isso, na Europa, a surpresa negativa com o índice PMI da Área do Euro pressiona as bolsas da região para baixo.

Por lá, o índice PMI composto da Área do Euro voltou a recuar em junho, segundo prévia divulgada hoje. O indicador chegou a 52,8 pontos, chegando ao menor patamar em seis meses. Ainda assim, no trimestre acumula o melhor resultado desde o segundo trimestre de 2011, o que sugere expansão de 0,4% do PIB no período.

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em campo negativo. Mas, investidores aguardam a divulgação do Índice PMI Markit da Indústria de transformação de junho - preliminar.

Aqui no Brasil, o Ibovespa deverá acompanhar o cenário externo.

E abrindo a agenda de indicadores internos, o Banco Central divulgou o Boletim Focus, que na medição, a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nacional para 2014 passou de 1,24% para 1,16%. Já para 2015, o prognóstico do PIB recuou para 1,60%. Além disso, a previsão para a taxa de câmbio em 2014 permaneceu em R$ 2,40. Para 2015 a taxa ficou em R$ 2,50.

Para finalizar, no mercado de câmbio, o dólar deverá apresentar ganhos em relação às demais moedas globais.

(MR – Agência IN)