Custos industriais subiram 2,5% no primeiro trimestre

  •  
Custos industriais subiram 2,5% no primeiro trimestre (Foto: Divulgação) Custos industriais subiram 2,5% no primeiro trimestre

Nesta quinta-feira, 05, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) anunciou que o Indicador de Custos Industriais subiu 2,5% no primeiro trimestre deste ano em relação ao período imediatamente anterior, quando alcançou 1,8%, na série livre de influências sazonais. Embora a aceleração do  ritmo de aumento tenha sido impulsionada pela alta nos custos com capital de giro, energia e pessoal, todos os demais componentes do indicador subiram no trimestre.

O Indicador de Custos Industriais é formado pelo custo de produção, custo de capital de giro e custo tributário. Na comparação com o último trimestre de 2013, o custo com capital de giro subiu 10,9%. O custo tributário cresceu 2,3%.
O custo de produção - formado pelos custos com pessoal, o com bens intermediários e  com energia - teve alta de 2,2% entre o quarto trimestre de 2013 e o primeiro de 2014, na série com ajuste sazonal. Na mesma base de comparação, o custo com energia subiu 5,6%. "O custo com energia retomou a trajetória de crescimento do último trimestre de 2013. Com isso, reverte-se parte da redução proporcionada pelas revisões das tarifas de energia elétrica no início de 2013", destaca o estudo.

Conforme a CNI, o custo com pessoal aumentou 2,8%, a maior expansão registrada desde o primeiro trimestre de 2012. O custo com bens intermediários nacionais e estrangeiros aumentou 1,9%, um ritmo menor do que o registrado nos trimestres anteriores. "Esse foi o componente com menor crescimento entre os custos de produção", avalia a CNI.

Conforme o estudo, os preços dos produtos manufaturados importados cresceram 3,4% no primeiro trimestre frente aos últimos meses de 2013, graças à desvalorização cambial. O aumento superior ao registrado nos custos industriais indica a melhora da competitividade brasileira.

Além disso, os preços dos produtos industrializados nos Estados Unidos, em reais, subiram 4,8%, também acima dos custos industriais brasileiros, o que indica a recuperação da competitividade internacional da indústria nacional.  

(Redação – Agência IN)