China impulsiona Ibovespa

  •  
China impulsiona Ibovespa (Foto: Divulgação) China impulsiona Ibovespa

Nesta terça-feira, 01, o principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, apresenta ganhos influenciado por dados divulgados na China. Há pouco, o índice, valorizava 0,30%, aos 53.326 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 1.526 bilhão.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, o bom momento da indústria americana pode se confirmar hoje com a divulgação dos indicadores do mês de junho. Essa expectativa mantém abertura dos índices futuros em alta e também animam as bolsas europeias. O ritmo menor da atividade na zona do euro, se comparado com o mês anterior já era esperado, não pressionando no momento o desempenho por lá. Na China, a atividade foi confirmada no ritmo de expansão, embora em ritmo um pouco menor que a prévia. Sendo assim, temos contribuição positiva para os ativos de risco nos mercados externos nessa manhã. Poderemos ter desempenho também positivo na abertura, porém, especulações que cercam o cenário eleitoral vão dar o rumo a partir da tarde. Amanhã teremos a divulgação de nova pesquisa e se houver especulação que o governo sai ganhando com o sucesso da copa, nossa correlação positiva com o mercado externo poderá ter vida curta.  

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da BBSeguridade (ON) que avançavam 2,34% e a Sabesp (ON) que apresentavam alta de 2,17%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis da Oi (PN), que recuavam 4,10% e a Rossi (ON) que apresentavam revés de 2,89%.

Do lado corporativo, a agência de classificação de riscos Moody's rebaixou os ratings da Brasil Pharma de Ba3 para B1 na escala global e de A2 para Baa3 na escala nacional. A perspectiva dos ratings também foi revisada de estável para negativa.

E abrindo a agenda de indicadores internos, a Fundação Getulio Vargas (FGV) anunciou que o índice de preços ao consumidor - semanal de 30 de junho apresentou variação de 0,33%, uma queda de 0,01 ponto percentual (p.p.) em relação à última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 4,19%, no ano e, 6,55%, nos últimos 12 meses.

No exterior, o índice PMI da indústria de transformação chinês, medido pelo escritório de estatísticas da China, chegou a 51 pontos em junho, em linha com o esperado e levemente melhor que o registrado em maio (50,8 pontos).

Além disso, o Índice dos Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial da Área do Euro ficou em 51,8 pontos em junho. O número ficou abaixo do esperado pelos analistas, que era de 51,9 pontos. Em maio o índice bateu os 52,2 pontos. Os números abaixo de 50 pontos representam desaceleração.

Para finalizar, a Eurozona tinha em maio 28.000 desempregados a menos que em abril, mas o índice permaneceu estável, a 11,6%. O Eurostat anunciou no mês passado uma estimativa do índice de desemprego em abril de 11,7% , mas revisou o resultado, o que explica a estabilidade.

(MR – Agência IN)