Mercado imobiliário mantém reação positiva e cresce no segundo trimestre

Mercado imobiliário mantém reação positiva e cresce no segundo trimestre Foto: Divulgação Mercado imobiliário mantém reação positiva e cresce no segundo trimestre

O lançamento e as vendas de novas unidades do mercado imobiliário brasileiro voltaram a crescer no segundo trimestre de 2017. Esse é o principal resultado da segunda rodada do estudo Indicadores Nacionais do Mercado Imobiliário, apresentado hoje pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). No período, o volume de imóveis novos cresceu 59,8% e as vendas aumentaram 17,4%. "O mercado oferece muitas oportunidades e as pessoas voltaram a buscar o sonho da casa própria", avalia José Carlos Martins, presidente da CBIC.

"O destaque no trimestre continua sendo a predominância de lançamentos e venda dos imóveis de 2 dormitórios, com 74% e 65% respectivamente, indicando uma presença muito forte do produto econômico no País", avalia Celso Luiz Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP e coordenador desse projeto. Ele destaca que as vendas no primeiro semestre superaram em 41,2% os lançamentos no período, com 17.135 unidades a mais vendidas. Esse movimento, entretanto, não é suficiente para recuperar o desempenho do mercado, quando comparado com o primeiro semestre de 2016, registrando queda, tanto em vendas como em lançamentos, de 5,1% e 21,6%, respectivamente.

"Na capital paulista, o crescimento em lançamentos foi de 166,6% na comparação do primeiro com o segundo trimestre. As vendas, por sua vez, aumentaram 97,3%. E estamos com a expectativa de que o terceiro trimestre também registre números positivos", pontua Petrucci.

"Falando da cidade de São Paulo, estimamos que 2017 deva crescer entre 5% e 10%, tanto em lançamentos como em vendas, em comparação com 2016. Isso condicionado ao bom andamento das reformas tocadas pelo governo", complementa o economista. 

Formulado pela CBIC em correalização com o SENAI Nacional, o estudo Indicadores Nacionais do Mercado Imobiliário é trimestral e mapeou a atividade do setor em 18 localidades, oferecendo um panorama nacional desse mercado. As amostras da pesquisa são colhidas e avaliadas com a mesma metodologia, o que confere consistência aos dados. A primeira rodada foi apresentada nos primeiros dias de maio, já sinalizando a reação do setor.

A segunda rodada registra queda de 3,5% na oferta final de imóveis para venda e um desempenho desigual entre as diversas regiões brasileiras. Para o presidente da CBIC, a queda nos preços, gerada pela crise econômica, torna 2017 um bom ano para a aquisição ou troca de imóveis. "Os estoques estão caindo e a tendência é que falte produto no futuro", diz Martins.

(Redação - Agência IN)