Ortoplan estima crescimento de 30% em 2017

Ortoplan estima crescimento de 30% em 2017 Foto: Divulgação Ortoplan estima crescimento de 30% em 2017

Executivos da rede, considerada uma das maiores do Mercosul, têm como meta chegar a 78 unidades em operação no Brasil e exterior

2017 começou para a Ortoplan - Especialidades Odontológicas, uma das maiores redes de franquias de clínicas odontológicas do Mercosul há 17 anos no mercado, como um ano de metas bem estabelecidas e pés no chão.

De acordo com o Dr. Faisal Ismail, presidente da rede, o planejamento para o ano foi traçado e a meta é chegar a 78 unidades em operação até o final do ano, o que significa um crescimento na casa dos 30 %. Atualmente com 60 franquias, sendo 54 clínicas em 14 estados do Brasil e 6 no Paraguai, a Ortoplan tem como alvos os estados do sul do Brasil, bem como capitais no Sudeste e no Nordeste.

A estratégia para chegar a novos investidores nas cidades pretendidas está no processo de gestão das franquias. “A pessoa que quer investir em uma franquia está em busca, claro, de bons ganhos e entende que o franchising é o melhor caminho justamente pela transmissão de know how, principalmente quando se fala em gestão”, explica Anderson Galvez, diretor de operações da marca.

Isso significa que Galvez já vem trabalhando com as equipes que compõem cada uma das 60 franquias da rede em todos os níveis e sobre todos os temas de relevância para conquistar operações realmente saudáveis, como captação de novos pacientes, atendimento de qualidade da recepção ao consultório, organização, análise de concorrência, gestão, processos, treinamentos, etc. O executivo conta que é de grande importância potencializar o que existe de bom nos colaboradores e auxiliá-los a desenvolver novas aptidões.

Outra ação que vem trazendo bons resultados para as unidades da rede é a realização de planejamentos a cada 3 meses, colocando para cada um: avaliação de desempenho e metas. Para isso, divide a rede em três equipes: iniciantes, intermediários e avançados – a divisão é feita com base no faturamento de cada unidade para estimular que cresçam. A iniciativa vem rendendo bons resultados e deve fazer de 2017 um ano ainda mais forte para as clínicas.

“Em anos de economia instável ou em fase de recuperação, que é o que esperamos deste ano, é de extrema importância que as estratégias sejam revisadas e corrigidas para minimizar os impactos sobre o negócio. Fizemos essa lição de casa no ano passado e neste ano vamos aprimorá-la a fim de obter resultados ainda mais palpáveis”, avalia o Dr. Faisal Ismail.

Das 18 clínicas pretendidas para 2017, 14 devem ser instaladas em território brasileiro e as outras 4 em países do Mercosul, com prioridade para o Paraguai, onde a rede já conta com unidades em operação, e Chile, país em que há negociações avançadas para fincar a bandeira da rede Ortoplan. “A nossa rede nasceu em 1998 já estruturada para crescer no modelo de franquias. Fomos muito cuidadosos desde a concepção da ideia de negócio até à formatação e início da comercialização das unidades franqueadas. Agora, a ideia é expandir a marca por todo o país e também pelos países vizinhos, fortalecendo nossa atuação”, explica o empreendedor.

O investimento para a abertura das unidades previstas para 2017 deve chegar a R$ 6,5 milhões e gerar pelo menos 140 empregos diretos. Para isso, Ismail e seu sócio, Dr. Alessandro Schwertner, fizeram uma minuciosa avaliação das cidades brasileiras, e também dos países vizinhos, e têm um mapeamento muito claro sobre até onde querem levar a marca. Os odontólogos contam que cerca de 220 cidades brasileiras, localizadas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Ceará, Pernambuco, Maranhão, Alagoas, Piauí, Rio Grande do Norte e Paraíba estão na mira, aptas para abrigar esse crescimento da Ortoplan.

A rede atua em duas modalidades de franquia: Plus, que prevê uma clínica com três consultórios ou mais e tem investimento aproximado de R$ 250 mil; e a Smart, que pode ter somente um consultório e tem investimento de cerca de R$ 75 mil. “O objetivo é dominar mercados em que já temos pelo menos uma clínica em operação para posteriormente seguir com aberturas em localidades mais distantes. As oportunidades existem e os especialistas seguem apontando o segmento de saúde bucal como tendência de negócio. Uma breve avaliação dos dados dá uma ideia disso: 55,6% dos brasileiros não se consultam anualmente, mesmo que saibam que a recomendação dos dentistas é de que as consultas sejam semestrais, segundo o Conselho Federal de Odontologia”, finaliza Ismail.

(Redação - Agência IN)