Instabilidade econômica antecipa sonho de abrir o próprio negócio

  •  
Instabilidade econômica antecipa sonho de abrir o próprio negócio (Foto: Divulgação) Instabilidade econômica antecipa sonho de abrir o próprio negócio

Por conta da instabilidade econômica no país, muitos investindo no próprio negócio, é o que mostra a pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada pelo Sebrae e o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), feita em 2014, que comprova que três em cada dez brasileiros entre 18 e 64 anos tem a própria empresa ou estão abrindo uma.

De acordo com o diretor de expansão da Hope Lingerie, Sylvio Korytowski, abrir uma franquia é a forma mais segura para tornar-se um empreendedor. “Com um formato de negócio pronto, o risco de errar é relativamente baixo”. Segundo estimativas da Associação Brasileira de Franchising (ABF), a expectativa para esse ano é aumentar o número de franquias, e apesar do cenário nacional, a entidade aponta um avanço no faturamento do setor entre 7,5% e 9%, além de incremento de 8% no número de marcas e de 9% e 10% em volume de unidades.

Com esse panorama, a HOPE Lingerie tem o objetivo de abrir 50 lojas até o fim do ano. “Já temos 23 contratos assinados para o segundo semestre, e com a retratação do mercado imobiliário, as negociações com shoppings estão mais flexíveis, o que permite contratos de locação com descontos de até 20%”, garante Korytowski.

Uma das alternativas que a rede criou para continuar expandindo foi a criação de um modelo de negócio de franquia mais compacto, que atende os interessados que podem investir em torno de R$ 200 mil. Intitulado como Hope 1.0, o novo formato de negócio tem o mesmo charme e sofisticação do modelo tradicional, além da operação apresentar uma série de vantagens, como administração e operação mais simples, permitindo trabalhar apenas com as referências mais vendáveis. Para chegar a esse valor, a marca reduziu a taxa de franquia de R$ 45 mil para R$ 30 mil e modificou a estrutura da obra com custos de mobiliário e iluminação mais em conta, visando a otimização do espaço que tem como objetivo aproveitar ao máximo os elementos existentes na loja, evitando demolição e interferências desnecessárias. 

(Redação – Agência IN)