Ex-costureira fatura mais de R$ 70 milhões com franquia

  •  
Ex-costureira fatura mais de R$ 70 milhões com franquia (Foto: Divulgação) Ex-costureira fatura mais de R$ 70 milhões com franquia

Algumas pessoas afirmam que empreender é um ofício e que ter vocação é essencial. A paranaense Leiza Oliveira, CEO da Minds Idiomas, vai ao encontro desta afirmação. Aos 16 anos costurava e vendia lingeries para as amigas. Tudo começou com a matriarca Lucidia Avila que costurava as roupas da filha e logo Leiza aprendeu a confeccionar as próprias lingeries. As amigas e colegas do bairro começaram a se interessar e comprar as roupas íntimas. “ Percebi uma forma de ganhar dinheiro e arcar com os meus estudos. Apesar de ser nova sempre quis fazer magistério. A área de educação era algo que já brilhava os meus olhos”, evidencia a empreendedora.

Leiza coincidiu durante um tempo a venda de lingeries e as aulas de magistério. “Foi uma época muito feliz em que fazer a peça, vê-la pronta e colocar a minha própria etiqueta era algo fascinante. Ali notei que sabia empreender e que queira o meu negócio na área de educação, pois é a que mais me identifico”, explica a CEO da rede Minds, Leiza Oliveira.

O começo da vida de um empreendedor não é fácil e apesar de ter o desejo de montar a própria escola, Leiza sabia da concorrência nesse segmento e também que precisava se organizar financeiramente. De 2000 a 2007 a empresária estudou muito o ramo de idiomas, concorrentes e possíveis dificuldades antes de erguer os muros da primeira escola da rede Minds em Porto Alegre (RS). “Sabia que sozinha seria complicado começar a minha empreitada, resolvi chamar o meu amigo e hoje sócio Augusto Jimenez e montamos o nosso sonho com muita dificuldade”, frisa Leiza. 

No início do negócio, o diretor e sócio da rede Minds Augusto vendia os cursos e dava treinamento para o comercial, Leiza administrava. Ambos limpavam a escola, dividiram marmitex e as contas. Augusto é formado em psicologia e trouxe para a escola um formato diferente de ensino: focado nas pessoas. Leiza é formada em contabilidade e contribuiu com um bom planejamento financeiro. A fórmula deu certo: em menos de um ano a escola Minds já tinha mais de 1000 alunos e precisava de um novo espaço.

“Com o boom do crescimento precisávamos de um espaço maior e de pessoas nos ajudando. Conversamos, estudamos o ramo do franchising e percebemos que seria uma ótima opção. Em 2008 começamos a franquear e vários dos nossos funcionários viraram franqueados na rede”, explica o sócio e diretor de marketing da Minds, Augusto Jimenez. De 2008 para 2017 a rede expandiu para as 5 regiões do país e tem 72 unidades operando.

O diferencial da rede Minds está na tríade: empatia com os alunos ( Agendam o horário que for melhor para ter aula), tecnologia ( Foi a escola pioneira em implantar o tablet na sala de aula, lousa touch screen e está desenvolvendo um robô que ficará nas salas do kids para facilitar a pronúncia) e modelo único de planejamento financeiro/administrativo para os franqueados (É feito um trabalho in loco, treinamentos rotineiros e suporte diário).

A Minds oferece cursos para crianças, jovens e adultos no formato enxuto de 18 meses. Além disso, há o curso Vip Executive em que o professor vai até a empresa ou local de preferência do aluno. A franquia custa cerca de R$ 250 mil e já está inclusa a taxa de franquia e a montagem da unidade.

Com um olhar sobre cada etapa do aprendizado, amplo conhecimento da tecnologia no ensino, professores com habilidades técnicas, a Minds tem como meta acompanhar o ritmo e a forma de aprendizado de cada indivíduo. “O ser humano tem a capacidade de assimilar o conhecimento por meio visual, auditivo e leitura. Nós da Minds agrupamos num leque essas 3 formas de aprendizado e, é por isso que unimos tecnologia ao ensino tradicional. A ideia é que o aluno tenha um conteúdo lúdico, troca de experiência com os docentes,tanto presencial quanto online, e perceber que independente da idade aprender um novo idioma fará bem para expandir o cérebro e a forma como enxerga o mundo”, finaliza a empresária.

(Redação - Agência IN)