Compre uma franquia, ganhe uma indústria

Empresa oferece modelo de franchising que contempla a criação de uma “miniusina” de produção de asfalto rápido Foto: Divulgação Empresa oferece modelo de franchising que contempla a criação de uma “miniusina” de produção de asfalto rápido

O empreendedor que decidir comprar uma franquia tem um leque variado de opções no mercado, em diversos setores da economia, como educação, comércio, varejo ou serviços. Mas já imaginou comprar uma franquia e ganhar uma indústria de presente?

 

Essa é a proposta da Usina do Vale, especializada na produção de CBUQ – concreto betuminoso usinado a quente. Com 15 anos de atuação no mercado, a empresa estruturou sua operação para a expansão em franquias com um diferencial. A compra de uma unidade da empresa implica a construção de uma pequena unidade da fábrica, que terá autonomia na fabricação do asfalto.

Dessa forma, o franqueado, além de fabricar o produto que irá vender, também terá a oportunidade de absorver o know how da produção ao asfalto.

“Nosso objetivo é estruturar uma expansão que dê ao franqueado a possibilidade de não apenas comercializar um produto, mas também ser autossuficiente na produção. Nos preparamos e adaptamos nosso negócio para essa etapa”, comenta Luiz Fava, diretor comercial da Usina do Vale.

Inovação para expandir

Para poder estruturar o negócio dessa forma, foi necessária uma mudança no seu produto principal. O fator que impedia o mercado de asfalto de crescer eram as limitações do próprio produto. Ele só poderia ser aplicado em cidades de até 200 quilômetros de distância e no mesmo dia, pois a massa tornava-se pedra. Assim, a Usina do Vale estudou, investiu e desenvolveu nova técnica exclusiva na fabricação da massa asfáltica ensacada.

O resultado é um produto de fácil manuseio em sua aplicação, nas situações mais adversas, como em buracos com água. Além disso, possui secagem imediata, baixo custo e solidifica-se com impacto, liberando o trânsito imediatamente após sua aplicação.

A franquia

O franqueado não terá um ponto comercial, mas sim, industrial. A proposta é que cada franquia seja uma miniusina, com capacidade de produção de vinte toneladas por hora. Por ser usinado a quente e aplicado a frio, o método desenvolvido permite que o asfalto seja estocado por até dois anos, podendo ser comercializado em todo território nacional, sem as limitações já mencionadas de uso e ideal para reparos.

Assim, o franqueado poderá produzir e vender o produto fabricado também no varejo, em lojas especializadas, como as de material de construção.

Mas o varejo é apenas uma entre as possibilidades de negócios. Há como atender prefeituras, via licitação, assim como departamentos de água e esgoto. Operações que eram exclusivas de grandes empresas podem ser feitas pelos franqueados da marca.

“Com todo o potencial apresentado por este novo produto, traçamos todo o plano de expansão da marca e formatamos a franquia. A empresa tem muito tempo de mercado e bastante know-how a ser transferido aos franqueados, que podem atuar nas mais diversas frentes”

O investimento inicial na opção parcelada é de R$191mil, com prazo de retorno entre 18 e 30 meses. O faturamento bruto mensal é a partir de R$55mil, com margem de lucro na casa dos 15%. A área mínima para operação da miniusina é de 500m² e a partir de três colaboradores é possível tocar o negócio.

(Redação - Agência IN)