Coleta seletiva no UniCEUB: uma iniciativa inteligente que beneficia a todos

  •  

Lixo é um assunto que sempre gerou muita discussão. Somente no ano de 2012, cada brasileiro gerou em média 383 kg de lixo, um aumento de 1,3% em relação a 2011. No total, foram 64 milhões de toneladas de resíduos gerados no território brasileiro neste ano. Estes são os dados de uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), que preocupa os estudiosos da área, já que 24 milhões de toneladas foram enviadas para destinos inadequados, como lixões a céu aberto.

Coleta-seletiva-UniCEUB Foto_Rômulo-Juracy

Apesar de a quantidade assustar, muitas iniciativas podem ser tomadas para a diminuição desses números, como a coleta seletiva de resíduos sólidos. O termo resíduo sólido é definido pela Lei 12.305 de 2 de agosto de 2010, que tem por objetivo o tratamento adequado dos resíduos por parte de todos os responsáveis pela sua geração, nas diversas atividades da sociedade. A Resolução nº 005/1993 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) define como resíduos sólidos de atividades humanas os de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola e de serviços de varrição. A principal vantagem da coleta seletiva é justamente a redução destes resíduos, pois essa iniciativa diminui os custos ambientais com a exploração de recursos para fabricação de novos materiais recicláveis ou retorna-os ao solo como adubo, reduzindo a necessidade de uso de produtos químicos.

Coleta-seletiva-UniCEUB Foto_Romulo-Juracy

Em Brasília, o UniCEUB é a única instituição de ensino superior que segue as normas da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Dentro do campus, diversas medidas foram tomadas para redução, reutilização e reciclagem dos resíduos gerados dentro da universidade. “O UniCEUB assumiu o compromisso de desenvolver continuamente os seus processos internos que levem a uma melhoria da qualidade ambiental em seu campus.” – é o que afirma Carlos Alberto da Cruz Júnior, presidente da Comissão de Gestão Ambiental do UniCEUB, órgão criado em 2009.

Somente no ano de 2013, 35 toneladas de lixo foram recicladas pela instituição, o que equivale ao peso de uma baleia jubarte. O principal objetivo dessa comissão é a melhoria continuada da instituição em relação aos aspectos e impactos ambientais, visto que a universidade gera uma grande demanda de lixo. Por se tratar de uma instituição de ensino, a alta demanda por papel passou a ser o principal foco da coleta seletiva dentro do campus, buscando primeiramente conscientizar alunos, professores e funcionários de que cada um é responsável pelo lixo que gera.

É importante ressaltar que nem todo tipo de papel é passível de ser reciclado. Papel higiênico e guardanapos sujos, por exemplo, não podem ser misturados com papéis A4 e de rascunho, pois não são adequados para o processo de transformação do papel em matéria-prima. Porém, estes resíduos devem ser direcionados ao processo de compostagem, que consiste na decomposição biológica por organismos orgânicos, transformando o material em adubo. Dentro do campus, as lixeiras para a coleta de papel são divididas especialmente para não acontecer esta mistura.

Com uma comunidade consciente, o próximo passo é oferecer locais adequados para que todos os resíduos sejam depositados separadamente. Em todo o campus, lixeiras devidamente identificadas com cores e símbolos definidos pelo CONAMA são dispostas em locais estratégicos, além de outras iniciativas que reduzem a produção de resíduos, como secadores de mãos no lugar de papéis toalha, mictórios que não utilizam água, piso de concreto intertravado e “papa bitucas”, locais reservados para o depósito de bitucas de cigarro.

A cada trimestre, cerca de 10 toneladas de resíduos coletados dentro do campus são encaminhados para empresas regularmente cadastradas dentro do órgão ambiental competente. “Eu costumo dizer que essas empresas não reciclam, mas fazem a coleta de recicláveis, que são resíduos passíveis de serem reciclados. As grandes recicladoras não estão no Distrito Federal”, ressalta Carlos. Em um depósito coberto, 15 categorias de resíduos sólidos são selecionados cuidadosamente, como lâmpadas fluorescentes, lonas publicitárias, lixo hospitalar, garrafas pets separadas por cor, papelão, entre outros resíduos que receberão o tratamento adequado para serem reaproveitadas.

Em apenas cinco anos, as práticas adotadas pela gestão ambiental do UniCEUB já contribuíram em diversas ações fora do campus. Atualmente, a instituição adota dez nascentes em todo o Distrito Federal, colaborando na gestão ambiental e impedindo a diminuição e contaminação das águas que abastecem os reservatórios. Outra parceria de sucesso é com a Associação Mãos que Criam, situada na Estrutural e composta por mulheres de baixa renda que buscam capacitação empresarial por meio do reaproveitamento de materiais recicláveis. As lonas utilizadas em murais, outdoors e banners são encaminhadas para as costureiras e transformadas em ecobags, gerando emprego para quem precisa e produzindo um produto que pode ser usado em várias ocasiões.

(Redação - Agência IN)

Última modificação emTerça, 01 Abril 2014 08:57