Empregos formais nos supermercados de São Paulo fecham 2017 com o maior número já observado para o setor

Apesar do Brasil ter fechado 2017 com a maior taxa de desemprego da sua história, o setor supermercadista foi na contramão do país e encerrou o último ano com o maior número de empregos formais já observado. A Associação Paulista de Supermercados (APAS) analisou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, e constatou que os supermercados do estado de São Paulo fecharam 2017 com 530.233 colaboradores contratados.

  • Publicado em Economia

Indicador antecedente de emprego avança em janeiro

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), da Fundação Getulio Vargas, subiu 0,7 ponto, em janeiro, para 107,7 pontos. Após o quinto avanço consecutivo, o indicador sinaliza aceleração no ritmo de recuperação do mercado de trabalho.

  • Publicado em Economia

Atacado paulista abre mais de 5,8 mil postos de trabalho

Em novembro, o comércio atacadista no Estado de São Paulo abriu postos de trabalho pelo oitavo mês consecutivo. Foram criados 1.137 empregos com carteira assinada, resultado de 14.011 admissões e 12.874 desligamentos. Assim, encerrou o mês com um estoque ativo de 500.159 vínculos trabalhistas formais, crescimento de 1,2% em relação a novembro de 2016. O número total de empregados com carteira assinada do setor não ultrapassava a barreira dos 500 mil trabalhadores desde novembro de 2015. No acumulado de dezembro de 2016 a novembro de 2017, 5.836 vagas foram abertas.

  • Publicado em Economia

Caged confirma melhora do mercado de trabalho em 2017

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de 2017 confirmou a melhora do mercado de trabalho formal brasileiro. Segundo números apresentados nesta sexta-feira (26) pelo Ministério do Trabalho, o resultado acumulado do ano – equivalente aos últimos 12 meses –, indicou o fechamento de 20.832 vagas, uma redução de apenas 0,05% em relação ao estoque de dezembro de 2016. “Para os padrões do Caged, esta redução em 2017 é equivalente à estabilidade do nível de emprego, confirmando os bons números do mercado na maioria dos meses do ano passado e apontando para um cenário otimista neste ano que está começando”, afirmou o ministro do Trabalho substituto, Helton Yomura.

  • Publicado em Economia

Varejo de materiais de construção volta a perder empregos

O varejo de materiais de construção da Região Metropolitana de São Paulo apresentou, depois de três meses seguidos com alta, retração de vagas com carteira assinada. Em novembro, 564 foram perdidas no segmento. No mês anterior, outubro, o resultado havia sido positivo com a abertura de 237 postos.

Brasil perde 12.292 postos de trabalho em novembro

O saldo de empregos formais no Brasil teve resultado negativo em novembro, com uma redução de 12.292 vagas, variação negativa de 0,03% em relação ao estoque do mês anterior. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quarta-feira (27) pelo Ministério do Trabalho (MTb), foram 1.111.798 admissões contra 1.124.096 demissões no mês passado. “Esse saldo negativo não significa uma interrupção do processo de retomada do crescimento econômico do país”, destaca o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Indústria paulista perde 10.500 vagas em novembro

A indústria paulista perdeu 10.500 postos de trabalho em novembro, queda de 0,49% em relação ao mês anterior, na série sem ajuste sazonal. Apesar do saldo negativo, esse resultado para o mês é o melhor apresentado nos últimos quatro anos. Em novembro de 2014, o recuo chegou a 1,44%, com a demissão de 37.000 trabalhadores. No acumulado do ano, o saldo ficou negativo, com o corte de 2 mil empregos (-0,10%). Já com ajuste para o mês, o saldo fica positivo (0,04%). Os dados são da pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo divulgados nesta terça-feira (12/12) pelo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp e do Ciesp (Depecon).

Contratações no varejo devem superar os desligamentos

Em 2017, as contratações no varejo, atacado e setor de serviços paulista devem superar os desligamentos. Em conjunto, os três setores devem abrir 16.591 postos de trabalho, encerrando o ano com 9.885.532 empregos com carteira assinada. É o que estima a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Assinar este feed RSS