44% dos eleitores estão pessimistas com as eleições presidenciais

  •  
44% dos eleitores estão pessimistas com as eleições presidenciais (Foto: Divulgação) 44% dos eleitores estão pessimistas com as eleições presidenciais

Entre os brasileiros, 44% se dizem pessimistas em relação à eleição presidencial de 2018, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os que se dizem otimistas são 20%. Entre os pessimistas, os motivos mais citados em respostas espontâneas são a corrupção (30%), a falta de confiança no governo e candidatos (19%) e a falta de opção entre os pré-candidatos (16%).

Entre os que se dizem otimistas, o motivo mais citado espontaneamente é a expectativa por mudança e renovação (32%). Os brasileiros também mencionaram a esperança no voto e na participação popular (19%), o sentimento de que se espera melhorias de forma geral (11%) e melhorias econômicas (9%).

Quando estimulados a escolher entre mudanças sociais (com melhoria da saúde, educação, segurança e desigualdade social), a moralização administrativa (com combate à corrupção e punição de corruptos) e a estabilização da economia (com queda definitiva do custo de vida e do desemprego), 44% dos brasileiros preferem as mudanças sociais e 32% escolhem a moralização administrativa como principal foco do próximo presidente.

Entre os eleitores, 84% concordam totalmente ou em parte que estudam as propostas dos candidatos para decidir o voto. Apesar disso, 75% dos brasileiros afirmam não acreditar em promessas de campanha dos candidatos.

Praticamente metade da população (48%) não manifesta preferência ou simpatia por nenhum partido específico e 72% concordam totalmente ou em parte que votam no candidato que gostam, independentemente do partido em que ele esteja. Ainda, 36% afirmam votar para deputado e senador em pessoas do mesmo partido do candidato à presidência 2018. Apesar disso, 64% concordam que o partido do candidato à presidência é importante.

Entre as características mais mencionadas como muito importantes para um candidato à Presidência da República, se destacam: ser honesto, não mentir em campanha (87%), nunca ter se envolvido em casos de corrupção (84%) e transmitir confiança (82%). Pertencer à mesma religião do eleitor aparece como o fator menos citado como muito importante (29%), apesar de 79% dos entrevistados concordarem total ou parcialmente que é importante que um candidato à presidência acredite em Deus.

Por fim, quanto a conhecimentos, formação e experiência dos postulantes ao palácio do planalto, 89% consideram muito importante que eles conheçam os problemas do país. Ter experiência com assuntos econômicos (77%) e ter uma boa formação educacional (74%) também estão entre os fatores mais avaliados como muito importantes.

(Redação – Investimentos e Notícias)