B3 comunica cancelamento das ações da Lix da Cunha

A B3 comunica que, entre os pregoes de 18/12/2017 a 16/01/2018, inclusive, as acoes de emissao da Lix da cunha (LIXC) serao submetidas ao procedimento de leilao durante toda a sessao de negociacao, com o fechamento de negocios ao final do pregao (negociacao nao continua), sendo que a partir de 17/01/2018 a listagem da companhia sera cancelada, nos termos do item 10.2 do Regulamento para Listagem de Emissores e Admissao a Negociacao de Valores Mobiliarios (Regulamento) da B3, tendo em vista o descumprimento de requisitos previstos no Regulamento.

(Redação - Investimentos e Notícias)

Lix da Cunha S/A

CONSTRUTORA LIX DA CUNHA S.A.
CNPJ nº 46.014.635/0001-49
NIRE 35.300.038.215 

FATO RELEVANTE 

ADESÃO AO REFIS CONFORME LEI 12.996/2014 E PORTARIA
CONJUNTA PGFN/RFB Nº 13/2014

 

A Construtora Lix da Cunha S.A. e suas controladas comunicam que decidiram utilizar as condições especiais para pagamento à vista de débitos tributários pelo Programa de Recuperação Fiscal (REFIS), instituído pela Lei 11941/2009, cujo prazo de adesão foi reaberto pela Lei 12996/2014 e disciplinado pela Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 13/2014, relativos a diversas execuções fiscais. 

A Administração da Companhia juntamente com os seus advogados, fizeram uma análise criteriosa dos processos tributários em andamento e também das vantagens oferecidas com a eliminação das multas e redução dos juros oferecidos pelo programa e considerou ser benéfica a desistência dos processos e a quitação com depósitos judiciais que já estavam destinados a eles. 

Os impactos contábeis dessa decisão acarretará uma sensível alteração dos valores patrimoniais da Companhia que poderá ser observado nas informações trimestrais do terceiro trimestre. 

Com base nos descontos obtidos e processos tributários pagos, estimamos os seguintes valores e impactos: 

 

grupodecontasdebalancos

 

É importante salientar que os recursos utilizados (R$ 35.334 mil) para o pagamento a vista dos débitos incluídos no programa, são oriundos de valores penhorados em processo de cobrança que a Companhia patrocina contra Empresa Pública, para garantia de execuções fiscais e foram utilizados para a quitação dos débitos incluídos no REFIS, em comum acordo com a Procuradora Geral da Fazenda Nacional de São Paulo. 

Além dos valores penhorados utilizados para pagamento do referido débitos, foram utilizados ainda R$ 24.411 mil de prejuízo fiscal e base negativa de CSLL de acordo com o disposto na legislação. 

 

Campinas, 01 de setembro de 2014. 

 

ELIAS ABRÃO AYEK
Diretor de Relações com Investidores 

Assinar este feed RSS