Firjan considera adequada manutenção da taxa Selic

A Firjan considera adequada a decisão do Copom de manter a taxa básica de juros em 6,50% ao ano, levando em conta que a economia brasileira segue com elevada capacidade ociosa, tanto no parque fabril quanto no mercado de trabalho. De fato, a recuperação econômica ainda é muito lenta e o desemprego elevado. Além disso, a inflação corrente segue em nível historicamente baixo e as expectativas de inflação se mantêm abaixo da meta estabelecida.

 

  • Publicado em Economia

BC diz que diminuíram incertezas para a economia

Após as eleições, o Banco Central destacou que diminuíram as incertezas para a economia brasileira, com redução de preços de ativos, como o dólar. A afirmação consta na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada hoje (6), em Brasília. Na última semana, o comitê decidiu manter a taxa básica de juros, a Selic, em 6,5% ao ano.

  • Publicado em Economia

Manter juros altos inibe os investimentos, diz Força Sindical

O excesso do conservadorismo do Copom (Comitê de Política Monetária), que, novamente, manteve a taxa Selic em patamar elevado, reafirma que este governo presta um desserviço à classe trabalhadora e à sociedade brasileira ao apostar todas as suas fichas, mais uma vez, no fraco desempenho da economia.

  • Publicado em Economia

Manutenção da taxa Selic é acertada, diz Firjan

A Firjan considera acertada a decisão do Copom de manter a taxa básica de juros em 6,5% ao ano, uma vez que a taxa de desemprego segue em nível historicamente alto e ainda há elevada capacidade ociosa na economia brasileira. De fato, a atividade econômica segue abaixo de seu potencial e as expectativas de inflação se mantêm dentro da meta estabelecida.

  • Publicado em Economia

BC mantém selic em consonância com incertezas políticas, diz FecomercioSP

O Banco Central (BC) manteve, mais uma vez, a Taxa Selic em 6,5%. A taxa está nesse patamar desde o fim do ciclo de quedas em março. Essa medida está em consonância com as incertezas eleitorais, que começam a ser dissipadas neste mês, avalia a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). De acordo com a Entidade, entretanto, ainda é tudo muito recente e o Banco Central não tem condições de avaliar com precisão quais são os ditames da futura equipe econômica. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), agora projetado, se elevou um pouco acima da casa dos 4%, por conta do aumento do preço de alimentos em junho e julho, e depois pela pressão cambial mais recente.

  • Publicado em Economia
Assinar este feed RSS