PIB brasileiro surpreendeu positivamente o mercado

  •  
PIB brasileiro surpreendeu positivamente o mercado (Foto: Pexels) PIB brasileiro surpreendeu positivamente o mercado

A Black Friday ficou para trás, mas parece ter trazido com ela boas notícias: a economia dá finalmente sinais de vida. O PIB brasileiro foi divulgado na semana passada e surpreendeu positivamente o mercado.

E não foi só por aqui. Nos Estados Unidos a taxa de desemprego teve nova queda, indicando a força da economia local, mesmo em meio às disputas comerciais com a China (que sim, ainda continuam se arrastando). Por sinal, as decisões de taxa de juros podem dar novo impulso para esse movimento.

De acordo com analistas da Toro Investimentos, o clima de otimismo foi tanto que mesmo com o anúncio de taxações sobre as exportações de aço e alumínio brasileiros para a terra de Donald Trump, as siderúrgicas apresentaram bom desempenho. O Ibovespa em si voltou a bater a máxima histórica e superou os 110 mil pontos.

Claro que nem tudo são rosas. Smiles apresentou projeções ruins para 2019 e 2020 e conseguiu a proeza de cair 10% mesmo com todo o mercado altista.

Empresas

Frente à decepção da Black Friday do ano passado, a Via Varejo (VVAR3) demonstrou ter feito o dever de casa e deu a volta por cima em 2019. Segundo o CEO da Companhia, a Via Varejo está de volta ao jogo.

Com os esforços logísticos e a “Omnicanalidade”, com a integração do e-commerce às lojas físicas, a empresa anunciou que 48% das vendas desta Black Friday foram pelos canais digitais e que a Empresa não apresentou instabilidades no sistema durante toda a sexta-feira. Com isso, a Empresa se mostra apta para voltar à competição e o cenário de turn-around vêm se mostrando cada vez mais próximo.

E aquela velha máxima de que “o de cima sobe e o de baixo desce” se aplicou muito bem para as ações da Smiles (SMLS3) esta semana. Enquanto o Ibovespa alcançava um novo topo histórico, as ações da empresa de milhagens caiam mais de 10% e o motivo todo mundo já conhece, a companhia divulgou suas projeções para 2019 e 2020 decepcionando o mercado. 

Faturamento bruto, crescimento de: 5 a +10% para 2020 ante 1 a 2,5% para 2019. 
Margem direta de resgate, crescimento de: 25% a 30% antes 37 a 38,2% para 2019.

E a situação já não era das melhores, já que a Smiles tinha registrado queda de 29,5% no lucro líquido do terceiro trimestre de 2019 na comparação com o mesmo período do ano passado. 

Fechando o pacote de más notícias, algumas casas deixaram claro que não estão felizes com a Smiles, ligando o sinal de alerta do mercado em relação à companhia. Sem a intervenção da Gol (GOLL4) - que aparentemente não pretende renovar o contrato operacional de serviços - a Smiles vai ter um desafio e tanto pela frente. E, se uma nova estratégia não for iniciada, 2020 não vai ser um ano de voos altos para a empresa.

(Redação – Investimentos e Notícias)