IPOs na América Latina têm queda de 95% em valor no 1T19

  •  
IPOs na América Latina têm queda de 95% em valor no 1T19 Foto: Divulgação

Uma pesquisa global divulgada hoje pelo escritório de Baker McKenzie, em cooperação estratégica com Trench Rossi Watanabe, aponta forte queda no valor e no volume das ofertas públicas iniciais (IPOs) na América Latina no primeiro semestre de 2019. Em toda a região, ocorreram apenas duas operações domésticas - uma no Brasil e uma Chile -, totalizando US$ 243 milhões. O montante representa um declínio de 95% em valor e 71% em volume, os menores números desde 2014.

Para efeitos de comparação, no primeiro semestre de 2018 foram realizadas sete operações locais no Brasil e no México, que captaram cerca de US$ 4,7 bilhões. Já no mesmo período de 2019, ocorreu apenas a operação da Centauro, pertencente ao Grupo SBF, que rendeu mais de US$ 173 milhões na B3 (Bolsa, Brasil, Balcão), e o IPO da Inmobiliaria Manquehue SA, que captou US$ 69 milhões na bolsa de valores de Santiago, no Chile.

Ainda de acordo com o estudo, há uma queda acentuada no Brasil no volume de ofertas públicas iniciais nos últimos anos. Nos seis primeiros meses de 2017, o país teve nove IPOs. Já no mesmo período de 2018 ocorreram três operações, enquanto em 2019 apenas uma.

Daniel Facó, sócio e líder das práticas transacionais de Trench Rossi Watanabe, conta que, geralmente, os IPOs na América Latina são impulsionados por México, Brasil e Argentina, mas questões políticas causaram problemas para essas operações. 'No Brasil, tivemos uma primeira transação de IPO bem-sucedida em abril de 2019, após exatos 12 meses sem quaisquer IPOs na B3. No entanto, é natural que investidores brasileiros e estrangeiros aguardem a resolução de algumas incertezas no cenário político brasileiro antes de tomarem decisões de investimento mais relevantes no País. Isso ocorre especialmente no que diz respeito à reforma da previdência, que acaba sendo um gargalo para a atual expectativa a respeito do reaquecimento da economia e melhor desempenho do mercado para essas transações no País'.

De acordo com o estudo, a queda na atividade do IPO não é exclusividade da América Latina. Globalmente, o valor total das ofertas públicas iniciais teve um decréscimo de 37% em relação à captação de capital, enquanto o volume total caiu 34% no primeiro semestre do ano, em comparação com o mesmo período de 2018.

No total, foram levantados cerca de US$ 70 bilhões em 514 IPOs - o menor número para valor e volume desde 2016. Para Facó, diversos fatores político-financeiros internacionais afetaram essas operações ao redor do mundo. 'A paralisação do governo federal dos EUA, a evolução das tensões comerciais entre Washington e Pequim, e o Brexit enfraqueceram a confiança dos grandes investidores', complementa o advogado.

(Redação - Investimentos e Notícias)