Fitch rebaixa ratings da Ouro Verde

  •  
Fitch rebaixa ratings da Ouro Verde (Foto: Pexels) Fitch rebaixa ratings da Ouro Verde

A Fitch Ratings rebaixou os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e Local da Ouro Verde Locação e Serviço S.A. (Ouro Verde) para 'RD', de 'C'. A Fitch também rebaixou o Rating Nacional de Longo Prazo da companhia e o rating de sua sétima emissão de debêntures para 'RD(bra)', de 'C(bra)'.

O rebaixamento dos ratings da Ouro Verde reflete os múltiplos waivers temporários obtidos pela empresa para postergar os pagamentos de juros e principal de suas quinta, sexta, sétima e oitava emissões de debêntures, de acordo com as definições de rating da Fitch. Os vários waivers são parte do esforço da Ouro Verde para reestruturar sua dívida, sendo esta a única condição precedente para a venda da empresa ao Cedar Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia (Cedar), veículo de investimento da Brookfield no Brasil. No entender da Fitch, a reestruturação da dívida da Ouro Verde, se ocorrer, representará uma troca de dívida em situação crítica (DDE), uma vez que deve resultar em alteração material das atuais condições para os credores da empresa. A agência considera a reestruturação necessária para evitar a falência ou uma situação de inadimplência tradicional. No entanto, como os ratings permanecem em 'RD' e 'RD (bra)', nenhuma ação de rating será necessária para refletir tal aprovação, caso ocorra.

Após um curto período, quando mais informações sobre o novo perfil de dívida e as perspectivas de desempenho operacional da Ouro Verde estiverem disponíveis, a Fitch reavaliará os ratings da Ouro Verde e de sua sétima emissão de debêntures. O acordo de reestruturação deverá resultar em extensão significativa da data de vencimento das quinta, sexta, sétima e oitava emissões de debêntures da companhia, que representam 58% da dívida total da Ouro Verde. A agência entende que a dívida garantida da Ouro Verde - Finame e arrendamentos financeiros - não fará parte da reestruturação da dívida.

(Redação – Investimentos e Notícias)