Fitch atribui rating AAA(bra) à Alsol Energias

  •  
Fitch atribui rating AAA(bra) à Alsol Energias (Foto: Pexels) Fitch atribui rating AAA(bra) à Alsol Energias

A Fitch Ratings atribuiu, pela primeira vez, o Rating Nacional de Longo Prazo 'AAA(bra)' à Alsol Energias Renováveis S.A. (Alsol) e à proposta de primeira emissão de debêntures da companhia, no montante de BRL100 milhões. A proposta de emissão, da espécie quirografária, será realizada em duas séries, com vencimento final da primeira em 2024 e da segunda, em 2027, e contará com garantia fidejussória da Energisa S.A. (Energisa), sua controladora, para 90% do montante, correspondente à sua participação na Alsol. O outro acionista da companhia, a Algar S.A. Empreendimentos e Participações (Algar, não avaliada pela Fitch), será responsável pelos 10% restantes. A garantia dos dois acionistas não é solidária. Os recursos serão utilizados na gestão ordinária dos negócios da Alsol.

A Fitch classifica a Energisa com os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e Local 'BB' e 'BB+' (BB mais), respectivamente, e com o Rating Nacional de Longo Prazo 'AAA(bra)', todos com Perspectiva Estável. As subsidiárias são classificadas com o Rating Nacional de Longo Prazo 'AAA(bra)', Perspectiva Estável. 

A Fitch avalia a Alsol com os mesmos ratings da Energisa por considerar fortes os vínculos legais, operacionais e estratégicos entre as duas empresas, de acordo com a sua Metodologia de Vínculo Entre Ratings de Controladoras e Subsidiárias. A Energisa é a principal acionista da Alsol e será uma das garantidoras da dívida proposta desta última, cujos covenants financeiros serão verificados em bases consolidadas da Energisa. Além disso, a atividade da Alsol está completamente integrada ao setor de atuação da Energisa, apesar de a subsidiária ser pouco representativa para o resultado do grupo. A Fitch entende que, em caso de necessidade, a Energisa prestaria suporte integral à sua controlada, incluindo a parte de responsabilidade da Algar, tendo em vista o risco reputacional e o reduzido valor que necessitaria ser coberto frente ao porte do grupo.

Os ratings do grupo Energisa são avaliados em bases consolidadas e refletem o risco de negócio baixo a moderado do segmento de distribuição de energia brasileiro, que é parcialmente mitigado pela diversificação do grupo, detentor de 11 concessões — as quais o tornam um dos maiores grupos do país. As classificações também contemplam a expectativa da Fitch de que os atuais índices de alavancagem consolidada da Energisa, elevados para os ratings, atingirão patamares mais adequados a partir de 2020. O perfil de crédito do grupo se beneficia de forte liquidez, baseada em robustos saldos de caixa, cronograma administrável de vencimentos da dívida e comprovada flexibilidade financeira.

Os ratings da Energisa e de suas subsidiárias consideram a expectativa da Fitch de que o histórico positivo de eficiência operacional e de recuperação de distribuidoras de energia deterioradas permitirá melhoras significativas nas recentemente adquiridas Centrais Elétricas de Rondônia S.A. (Ceron) e Eletrobras Distribuição Acre (Eletroacre). A análise incorpora, ainda, o moderado risco regulatório do setor brasileiro de energia e o fato de o risco hidrológico, embora atualmente acima da média histórica, não estar impactando negativamente o perfil de crédito do grupo.

O IDR em Moeda Estrangeira da Energisa e de algumas de suas subsidiárias é limitado pelo Teto-País do Brasil, 'BB', uma vez que o grupo gera todas as suas receitas em moeda local (BRL), sem reservas de caixa e linhas de crédito compromissadas no exterior. A Perspectiva Estável do IDR em Moeda Estrangeira segue a do rating soberano do Brasil, 'BB-' (BB menos). A Fitch também acredita que a Energisa será capaz de reportar alavancagem financeira consolidada em patamares mais conservadores nos próximos anos, o que sustenta a Perspectiva Estável do IDR em Moeda Local e a do rating nacional corporativo.

(Redação - Investimentos e Notícias)