C&A tem IPO abaixo do preço esperado

  •  
C&A tem IPO abaixo do preço esperado Foto: Divulgação

A C&A deu início ao seu plano de companhia aberta com um IPO abaixo do esperado. A varejista de moda apresentou uma oferta um pouco contrária ao que se esperava pelo mercado, na qual 94% de todo valor levantado será utilizado para remunerar o controlador, seja por oferta secundária ou pagamento de dívida da unidade brasileira.

 

A oferta primária da empresa foi precificada a R$ 16,50, o que significa um piso da faixa de preços, que poderia ir até R$ 20,00 por papel CEAB3.

A atitude da companhia desanimou os investidores, já que o formato do IPO e o fraco desempenho da marca frente a outros concorrentes como Lojas Renner (SA:LREN3), por exemplo, acabaram desestimulando os analistas.

Segundo alguns dados, apenas a Eleven Financial recomendou compra, se a oferta saísse pelo piso, com preço alvo de R$ 22,10.

Os papéis da loja passarão a ser negociados na B3 a partir da próxima segunda-feira, 28 de outubro.

O fato é que a área operacional da C&A está sendo colocada em xeque pelo mercado financeiro. Isso porque, olhando para o cenário como um todo, outras empresas passam disparadas na frente da varejista em capacidade de execução e crescimento.

A C&A obteve um crescimento de receita líquida de 8,1% entre 2016 e 2018, mantendo estável o número de lojas nos últimos quatro anos. Isso significa, que a companhia permanece atrás dos da Riachuelo, 19,7%, e da Renner, 28,5%.

As vendas da empresa subiram apenas 2,5% no ano passado, contra 2017, e 2,8% no primeiro semestre de 2019, ante igual período de 2018, o que mostra uma fraca recuperação.

A margem bruta da companhia aponta para 49,0%, também atrás das marcas Riachuelo e Renner.

Em relação ao espaço online, apenas 2,4% das compras são feitas por consumidores via internet. Enquanto as vendas onde o cliente compra online e retira na loja estão na casa dos 17%, comparado à 25% da Guararapes e 27% da Renner (SA:LREN3).

(Redação - Investimentos e Notícias)