para-ler-na-rede

Fazendo Eco

cronicasdeumasociedadeliquidaEm algum momento, Umberto Eco falou que a Internet dera voz aos imbecis. De certa maneira, tinha razão. Sem desdenhar o direito à livre expressão dos imbecis, ele lamentava a ressonância das bobagens que são ditas sem qualquer reflexão em conversas no botequim da esquina e reproduzidas pelas redes sociais como fruto de reflexão filosófica. O velho observador do mundo cultivava uma percepção acurada sobre a vida, demonstrada na coluna La Bustina di Minerva, publicada na revista L’Espresso desde 1985. Ali, ele comentava o cotidiano na Itália e no mundo. Pape Satan Aleppe – Crônicas de uma sociedade líquida (Record, R$ 59,90) reúne alguns desses textos, que tratam de comunicação, a dependência dos telefones celulares, racismo, ódio, religião, filosofia, envelhecer, juventude e, naturalmente, literatura.

A epidemia da sick lit

A questão que nunca morre: entretenimento é literatura? Para onde vai a cultura, a tradição, a estética se o mundo quer consumir produtos que não estimulam o raciocínio, mas apenas distraem. Enquanto eruditos debatem o fim da civilização, escritores “comerciais” ganham a vida honestamente, lançando sucessos e mais sucessos que encantam, momentaneamente, o público. O leitor comum, aquele que movimenta o mercado editorial, nem sempre está à procura de uma leitura reflexiva e de qualidade. 

A renovação dos clássicos

“Já desfiz quatro bibliotecas”, me conta uma amiga, que não tinha como carregar um número grande de livros para casas cada vez mais exíguas. Vendeu a sebos, o que nem sempre é um grande negócio, como descobriu outro amigo, um escritor, que recebeu uma quantia modesta por sua biblioteca, desfeita também por causa de mudanças. Tempos depois, soube que alguns daqueles volumes, autografados por colegas de ofício famosos, seriam leiloados, cada um com lance inicial superior ao que recebera pelo lote todo.

O livro encontra seu público

A Bienal do Livro no Rio de Janeiro deve atrair 700 mil visitantes durante dez dias ao Riocentro para encontros do público com autores de apelo popular, em sua maioria. Se as festas literárias promovidas por todo o país discutem dos grandes temas literários do momento a formas de disseminação da leitura, a Bienal cada vez mais investe na aproximação do leitor jovem com seus ídolos. Dos mais de 300 autores convidados, a metade é de escritores de literatura infanto-juvenil.

Leituras para fechar o inverno

No encerramento deste inverno atipicamente rigoroso, pelo menos em termos cariocas, as notícias no setor são reconfortantes. As editoras festejam o discreto aquecimento das vendas em plena recessão, uma pesquisa aponta que 61% das crianças alemãs de seis a treze anos leem mais do que jogam videogames – o que não significa que elas venham a preferir a palavra impressa em papel à diversão nas telas, no futuro, mas dá alento à indústria quanto à sobrevivência do livro em qualquer formato. Então, que tal comemorar as boas novas e arranjar um bom lugar para ler um destes livros?

A solidão e outras formas de fazer arte

acamaraclaraA inglesa Olivia Laing pertence a um grupo de escritores/pensadores da atualidade que escolhem um tema a partir de sua experiência pessoal, pincelando com situações vividas as observações que embasam suas teses. A apropriação do objeto de estudo atrai muitos autores que preferem deixar de lado o distanciamento científico/jornalístico para mostrarem ao leitor o quanto se inserem na pesquisa, sem fazer de sua vivência o roteiro da descoberta, como Roland Barthes em A câmara clara (Nova Fronteira, R$ 24,90 ), no qual a análise de fotografias de sua própria família se mistura à análise da narrativa existente em retratos de desconhecidos.

A leitura cinematográficas da ternura

marypoppinsMary Poppins, a simpática babá interpretada no cinema por Julie Andrews, nasceu rabugenta, arrogante e consciente de seus direitos trabalhistas. Em 1934, a australiana P.L. Travers lançava mais que um clássico de literatura infantil. Esta sátira à classe média britânica e sua interação com um novo tipo de empregado doméstico, que estabelece uma distância clara dos patrões, mostra-se bastante contemporânea, como se constata na nova edição ilustrada e comentada de Mary Poppins (Zahar, R$ 54,90).

Sobre a violência de cada dia

ogoleirodosandesNos Estados Unidos, dois terços dos jovens negros e 40% dos hispânicos já sofreram violência ou perseguição por policiais. Sobreviver diante desta realidade duríssima é o que os pais de Starr, protagonista de O ódio que você semeia (Galera, R$ 39,90), de Angie Thomas, ensinam à filha quando ela tem doze anos: se abordada por um policial, a menina deve deixar as mãos à vista, não fazer movimentos bruscos e falar somente caso seja interpelada. Quatro anos mais tarde, um amigo que não segue as mesmas recomendações é executado a tiros por um policial, em frente de Starr, cuja saga fictícia se baseia no cotidiano comum à população pobre e discriminada de grandes cidades – e não apenas nos Estados Unidos.

A Flip da crise e dos sonhos

Uma celebração da literatura, a Festa Literária de Paraty (Flip) nunca foi planejada para movimentar a indústria do livro. Incentivo à leitura e proliferação de eventos similares em todo o país foram os frutos colhidos pela Flip, que chega a seu décimo quinto ano financiada por apenas um grande patrocinador (o banco Itaú), que reduziu seu investimento a cerca de metade dos recursos destinados à festa em 2016.

Histórias de uma moça bem-comportada

Há 200 anos, morria Jane Austen. Solteirona, provinciana, muito mais do que uma contadora de histórias de amor bonitinhas, ela deixou observações perspicazes e ferinas sobre a vida de pequenos e grandes proprietários de terras, aristocratas ou não, no início do século XIX, na Inglaterra. 

Assinar este feed RSS