ICO - O que é a oferta inicial de criptomoedas

  •  
Destaque O lançamento de novas criptomoedas são verdadeiros eventos do mundo digital. Foto: divulgação O lançamento de novas criptomoedas são verdadeiros eventos do mundo digital.

Criadas como alternativas ao Bitcoin, as chamadas moedas altcoins vem se multiplicando em ritmo acelerado.

Que o Bitcoin hoje é a criptomoeda mais famosa do mundo, ninguém discorda. Mas além da sua própria valorização, a popularidade do Bitcoin também abriu as portas para o surgimento de diversas outras moedas digitais.

Criadas como alternativas ao Bitcoin, as chamadas moedas altcoins vem se multiplicando em ritmo acelerado. Vemos cada vez mais criptomoedas sendo criadas e introduzidas no mercado, principalmente pelas chamadas ofertas iniciais de moedas — ou ICOs.

É por meio de um ICO que uma nova moeda é apresentada ao público pela primeira vez. Como as criptomoedas se encontram em um momento de intensa expansão, participar de uma nova ICO pode ser uma excelente oportunidade de investimento.

Mas o que de fato é uma ICO? Como funciona esse processo de oferta inicial? Vale a pena investir em uma moeda recém-lançada? Como diferenciar uma boa oportunidade de investimento de um mau negócio? Tudo isso (e muito mais) nós vamos responder a seguir.

O que é ICO de criptomoedas?

ICO é a sigla para Initial Coin Offering, ou Oferta Inicial de Moeda. Inspirado nas famosas ofertas iniciais de ações do mercado financeiro — também conhecidas como IPOs, um ICO ocorre quando uma nova criptomoeda é oferecida publicamente no mercado pela primeira vez. Ou seja, em um ICO, quem investe tem a chance de ser o primeiro a comprar de uma nova moeda que está sendo lançada.

Fazer uma oferta inicial tem sido a nova tendência no mundo das criptomoedas. Desde o bem-sucedido lançamento da moeda Ethereum, os ICOs são cada vez mais usados para distribuir novas moedas e fomentar demais projetos de criptografia que utilizam tokens.

Como funciona?

Um ICO é um meio para financiar o desenvolvimento de criptomoedas que estão surgindo, dando força para que os projetos saiam do papel e se tornem realidade.

Porém, um ICO não se limita apenas à distribuição de uma nova altcoin (uma criptomoeda alternativa ao Bitcoin). ICOs também podem servir muito bem como uma ferramenta de captação de recursos para qualquer tipo de projeto.

Na verdade, várias empresas e startups já estão usando os ICOs para levantarem capital e se financiarem. Além da ausência de burocracia, lançar um projeto por meio de um ICO é mais seguro e prático do que as alternativas tradicionais de captação de investimento.

A alta capilaridade na captação de recursos também é uma vantagem importante — já que qualquer pessoa pode participar e investindo valores baixos, em alguns casos até mesmo com poucos centavos.

Como funciona um ICO?

A dinâmica de um ICO pode variar de moeda para moeda. Mas, normalmente, a sua composição é formada pelas seguintes etapas:

  1. Divulgação do lançamento.
  2. Arrecadação de recursos.
  3. Distribuição dos tokens aos compradores.

Entenda melhor sobre este processo de abertura inicial:

Lançamento do Whitepaper

O Whitepaper é o principal documento de divulgação do ICO. Ele funciona como um relatório inicial que lista as informações mais importantes sobre o projeto, como:

  • Objetivo do lançamento.
  • Cronogramas de desenvolvimento do projeto.
  • Equipe envolvida no projeto.
  • Características do lançamento.
  • Quantidade de tokens emitidos.
  • Condições de pagamento.
  • Demais detalhes relevantes do ICO.

Dessa forma, o Whitepaper será a principal ferramenta para ajudar quem tem interesse em adquirir a nova moeda se aquela é uma boa oportunidade ou não.

Abertura da oferta inicial

Na abertura, quem tem interesse em investir pode pedir para o site da empresa que fez a proposta para reservar e comprar seus tokens. O pagamento, normalmente, é realizado em Bitcoin, Ether ou mesmo com moedas tradicionais, como o dólar.

Encerramento da oferta inicial

O capital arrecadado é contabilizado e a empresa lança um comunicado informando se o valor necessário foi atingido. Em caso negativo, o que foi arrecadado é devolvido a cada um que contribuiu.

Distribuição dos tokens

Quando o valor desejado é alcançado e a oferta inicial se encerra, os interessados em investir recebem os tokens. A partir disso, eles podem ser negociados nas exchanges ou guardá-los em carteiras virtuais, também chamadas de wallets.

Conheça ICOs que já marcaram o mercado


Ripple

Um dos primeiros exemplos de distribuição de criptomoedas via ICO foi a Ripple. No início de 2013, a empresa Ripple Labs criou cerca de 100 bilhões de tokens XRP da sua plataforma de pagamentos Ripple, e vendeu parte deles para financiar o desenvolvimento do projeto.

Hoje, a Ripple é a 3ª moeda virtual com maior valor de capitalização no mercado.

Mastercoin

Também em 2013, a Mastercoin (hoje conhecida como Omni), desenvolveu um projeto para implementar contratos inteligentes (smart contracts) em cima da blockchain do Bitcoin.

Para se financiar, o desenvolvedor do projeto distribuiu um milhão de tokens de Mastercoin através de uma ICO, arrecadando cerca de 1 milhão de dólares.

Ethereum

O caso mais famoso de lançamento via ICO foi o projeto Ethereum. Em 2014, a Fundação Ethereum ofereceu tokens da moeda ether (ETH) pelo valor de 0.0005 Bitcoin cada

Com isso, foram arrecadados quase 20 milhões de dólares para desenvolver a plataforma, se tornando o maior crowdfunding — vaquinha online — de criptomoeda até então.

O próprio surgimento do Ethereum estimulou a criação de novas criptomoedas. Por meio da sua funcionalidade de contratos inteligentes, o Ethereum contribuiu para que uma nova onda de ICOs e demais financiamentos de projetos acontecessem.

Vale a pena investir em ICO?

O Bitcoin hoje pode valer milhares de dólares, mas em algum momento no passado ele chegou a ser vendido por alguns centavos. Quem investiu nessa moeda logo no início, viu seu dinheiro ser multiplicado. Logo, investir em ICO de uma criptomoeda pode ser a chance de participar de outra valorização como essa.

Porém, é importante lembrar que quanto maior é a expectativa de retorno, maiores são os riscos envolvidos. Um ICO pode ser uma aposta milionária, mas também pode resultar em um grande prejuízo para quem investe.

Por isso, antes de tomar qualquer decisão, esteja ciente que o investimento em criptomoedas:

  • Não possui garantia de lucro.
  • Não possui nenhuma regulamentação oficial.
  • O mercado é altamente volátil.

Mesmo com alguma valorização, o ativo pode ser puramente especulativo, ser uma "bolha financeira", ou até mesmo uma tentativa de fraude.

O ICO se tornou uma ferramenta que pode revolucionar não apenas o sistema financeiro, mas toda a lógica de investimentos e captação de recursos. As possibilidades para essa tecnologia são inúmeras.

Participar de um ICO pode sim ser uma ótima chance de investimento — mas vem acompanhado de um risco altíssimo, em um mercado que ainda é recente e sem regulação.

Por isso, é importante não se precipitar, mesmo que a oportunidade seja irresistível. Antes de decidir, estude com cuidado o ativo em questão e evite se deixar levar pela euforia do mercado.

Para conhecer mais sobre o assunto, não deixe de conferir o nosso post sobre a cotação do Bitcoin e descubra como acompanhar o preço dessa criptomoeda em tempo real.